Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel realiza novos bombardeios na Faixa de Gaza após queda de foguete

Aviação israelense atacou instalações subterrâneas em Gaza. Foguete disparado de Gaza caiu em cidade israelense sem causar vítimas.
France Presse

Aviões de guerra israelenses realizaram novos ataques na madrugada desta segunda-feira (19) na Faixa de Gaza, onde a tensão foi reduzida, mas sem dissipar todo o fantasma de um novo confronto.

A aviação israelense atacou instalações subterrâneas no sul do território do movimento palestino Hamas, afirmou em um comunicado.

Israel respondeu assim ao disparo de um foguete lançado no domingo à noite a partir da Faixa de Gaza - o segundo em 24 horas - e que caiu sem causar vítimas nas proximidades de Sderot, cidade israelense perto do enclave palestino.

O exército de Israel manteve sua política de resposta sistemática a qualquer intervenção hostil a partir dos territórios palestinos, onde travou três guerras contra o Hamas e grupos armados palestinos aliados desde 2008.

Israel usará "todos os meios à sua disposição" para garantir a segurança d…

'Falsa independência': militares estrangeiros ganham acesso à Ucrânia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou a lei que dá acesso ao território ucraniano para as forças armadas de outros países, incluindo os EUA, para participação em manobras multinacionais.


Sputnik

Antes, Poroshenko pediu à Suprema Rada para aprovar a decisão dele sobre acesso à Ucrânia de unidades militares estrangeiras para participarem dos exercícios da Ucrânia com os EUA, em particular, Sea Breeze 2018 e Rapid Trident 2018. A Rada aprovou o documento em 18 de janeiro.


Soldados norte-americanos na cerimônia de inauguração dos exercícios militares conjuntos, entre os EUA e Ucrânia, Fearless Guardian 2015
Militares dos EUA na Ucrânia © AFP 2018/ GENYA SAVILOV

No site oficial do parlamento ucraniano se nota que "a lei foi devolvida com assinatura do presidente". De acordo com a lei, prevê-se dar acesso a unidades militares dos EUA e outros países da OTAN (até três mil efetivos com seu armamento e equipamento militar e até seis aviões e helicópteros) por um prazo de 365 dias em janeiro-dezembro de 2018 no âmbito dos exercícios multinacionais para preparação das Forças Armadas da Ucrânia.

Supõe-se também, no âmbito dos exercícios Rapid Trident 2018, dar acesso a unidades militares dos EUA, outros membros da OTAN e participantes do programa Parceria para a Paz (até dois mil efetivos com seu armamento e equipamento militar e até 20 aviões e helicópteros) por um prazo de 16 dias em junho-novembro de 2018.

De acordo com a lei, planeja-se também realizar em 2018 três manobras multinacionais, incluindo ucraniano-romenas.

Conforme a lei ucraniana, no território do país é proibido funcionamento de quaisquer formações militares não previstas na lei. Também na Ucrânia não é permitido o estabelecimento de bases militares estrangeiras, por isso as tropas estrangeiras têm de obter de cada vez uma autorização para permanecer no território do país ao abrigo de uma lei especial.

O cientista político Semyon Uralov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, expressou a opinião de que a presença de tropas estrangeiras na Ucrânia é algo que já existe.

"A decisão sobre o acesso de tropas estrangeiras é a constatação de um fato já existente. Ninguém esconde que, por exemplo, no polígono Yavorovsky na região de Lvov já há muito que são instaladas bases de treinamento. De fato, assistimos ao colapso da soberania e da falsa independência que resultam em uma gestão a partir do exterior e, cedo ou tarde, em uma intervenção militar."

Ele acha que Poroshenko não fez nada de novo, só legitimou o que já existe. A intervenção, opina, já ocorreu em 2014-2015, quando foram capturados os serviços secretos – nos serviços de segurança ucranianos apareceram especialistas norte-americanos, estonianos e de outros países ocidentais. Depois, no exército em Donbass surgiram os instrutores, conselheiros e mercenários.

"Agora tudo isso está sendo legitimado, mas de fato já existe há vários anos", concluiu o cientista político.


Postar um comentário