Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Futuro da Embraer é assunto de reunião de emergência entre FAB e fabricante sueco de caças

O encontro ocorreu nesta quinta-feira (11) em Brasília


Mateus Coutinho | Época

O Comando da Força Aérea Brasileira (FAB) e diretores da empresa sueca Saab se reuniram em Brasília, nesta quinta-feira (11), para tratar das negociações para a compra da Embraer pela americana Boeing. 

Gripen (Foto: Peter Liander/Saab)
Gripen (Foto: Peter Liander/Saab)

Fontes ouvidas por EXPRESSO revelaram que o clima na FAB e na companhia europeia é de irritação com a empresa americana, que passaria a ter atuação no andamento do projeto FX-2. O projeto prevê a produção de 36 caças suecos Gripen com transferência de tecnologia para o país, além de permitir ao Brasil vender as aeronaves com a nova tecnologia para outros países.

Por parte da Saab também pesam a preocupação de perder espaço nas futuras aquisições de aviões pelo governo federal e até a possibilidade de as instalações criadas para o desenvolvimento dos caças suecos no Brasil ficarem paradas após a entrega das 36 aeronaves, já que não interessaria à Boeing produzir o modelo concorrente.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas