Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

OTAN se prepara para maiores exercícios militares desde 2002

A OTAN está se preparando para realizar seus maiores exercícios militares desde 2002. Trata-se dos Trident Juncture 2018, dos quais participarão mais de 40.000 militares de 30 países membros e parceiros da OTAN.
Sputnik

A fase principal das manobras irá ser realizada entre os dias 25 de outubro e 7 de novembro, na Noruega e áreas vizinhas, com exercícios preliminares nas águas ao largo da costa da Islândia de 15 a 17 de outubro.

Defender-se contra 'qualquer ameaça em qualquer momento'

O objetivo dos exercícios é a dissuasão e defesa contra "qualquer ameaça, de qualquer lugar e em qualquer momento", explicou nesta semana o almirante da Marinha dos EUA a jornalistas em Bruxelas, James G. Foggo III, comandante dos exercícios.

O militar revelou que os Trident Juncture mostram que a OTAN está unida e pronta para se defender valendo-se da defesa coletiva. Neste sentido, o cenário dos exercícios inclui uma violação da soberania de um aliado da OTAN, neste caso da Noruega.

Ao mesm…

Guerra nuclear com a Coreia do Norte está 'mais perto do que nunca', diz almirante dos EUA

Os Estados Unidos estão mais próximos do que nunca em uma guerra com a Coreia do Norte, acredita o almirante da reserva do país, Michael Mullen.


Sputnik

O militar foi chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA entre 2007 e 2011, e declarou em um programa da rede ABC que ele não vê qualquer solução diplomática possível para a disputa com Pyongyang sobre suas crescentes capacidades nucleares.


Lançamento de míssil balístico Minuteman III (foto de arquivo)
Lançamento de míssil balístico dos EUA Minuteman III © AP Photo/ Foto de arquivo, Força Aérea dos EUA

"Naturalmente, estamos mais perto do que nunca, na minha opinião, de uma guerra nuclear com a Coreia do Norte e na região", afirmou, citado pelo jornal britânico The Telegraph. "Não vejo nenhuma oportunidade de resolver este problema diplomaticamente neste momento específico".

Mullen avaliou que a crise atual em torno da Península da Coreia é um exemplo do "clima perigoso" criado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, na tentativa de reverter a abordagem tradicional da política externa de Washington.

No entanto, o almirante aposentado admitiu que a atitude do secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, restringiu o presidente.

Trump ameaçou a Coreia do Norte com "destruição total" no caso dos EUA serem forçados a se defender ou a seus aliados na Ásia-Pacífico. Todas as opções "estão na mesa", afirmou várias vezes o presidente estadunidense a alguns de seus subordinados.

Enquanto isso, as autoridades sul-coreanas interceptaram dois navios com bandeiras de Hong Kong (China) e Panamá dirigindo-se para as costas da Coreia do Norte nos últimos dias de dezembro, suspeitando que poderiam transportar derivados do petróleo, o que significaria uma violação de sanções internacionais.

Para realizar esses movimentos, Seul baseou-se na recente resolução do Conselho de Segurança da ONU aprovada por unanimidade em 22 de dezembro passado, que busca limitar o acesso de Pyongyang aos produtos necessários para desenvolver seu programa de mísseis balísticos.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas