Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Guerra nuclear com a Coreia do Norte está 'mais perto do que nunca', diz almirante dos EUA

Os Estados Unidos estão mais próximos do que nunca em uma guerra com a Coreia do Norte, acredita o almirante da reserva do país, Michael Mullen.


Sputnik

O militar foi chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA entre 2007 e 2011, e declarou em um programa da rede ABC que ele não vê qualquer solução diplomática possível para a disputa com Pyongyang sobre suas crescentes capacidades nucleares.


Lançamento de míssil balístico Minuteman III (foto de arquivo)
Lançamento de míssil balístico dos EUA Minuteman III © AP Photo/ Foto de arquivo, Força Aérea dos EUA

"Naturalmente, estamos mais perto do que nunca, na minha opinião, de uma guerra nuclear com a Coreia do Norte e na região", afirmou, citado pelo jornal britânico The Telegraph. "Não vejo nenhuma oportunidade de resolver este problema diplomaticamente neste momento específico".

Mullen avaliou que a crise atual em torno da Península da Coreia é um exemplo do "clima perigoso" criado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, na tentativa de reverter a abordagem tradicional da política externa de Washington.

No entanto, o almirante aposentado admitiu que a atitude do secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, restringiu o presidente.

Trump ameaçou a Coreia do Norte com "destruição total" no caso dos EUA serem forçados a se defender ou a seus aliados na Ásia-Pacífico. Todas as opções "estão na mesa", afirmou várias vezes o presidente estadunidense a alguns de seus subordinados.

Enquanto isso, as autoridades sul-coreanas interceptaram dois navios com bandeiras de Hong Kong (China) e Panamá dirigindo-se para as costas da Coreia do Norte nos últimos dias de dezembro, suspeitando que poderiam transportar derivados do petróleo, o que significaria uma violação de sanções internacionais.

Para realizar esses movimentos, Seul baseou-se na recente resolução do Conselho de Segurança da ONU aprovada por unanimidade em 22 de dezembro passado, que busca limitar o acesso de Pyongyang aos produtos necessários para desenvolver seu programa de mísseis balísticos.


Postar um comentário