Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

Ministro britânico adverte que Moscou planeja 'matar milhares de pessoas' no país

O secretário de Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson, declarou que um ataque da Rússia contra instalações de infraestrutura britânicas causaria "milhares e milhares de vítimas", citado pela revista The Telegraph.


Sputnik

Segundo o ministro, Moscou está estudando possíveis pontos fracos na proteção das instalações de infraestrutura e energia do Reino Unido, incluindo gasodutos de energia procedentes da Europa continental, para causar "pânico e caos".


Resultado de imagem para secretário de Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson,
Secretário de Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson | Reprodução

Kremlin pretende tomar medidas "que qualquer outro país consideraria como completamente inaceitáveis", disse Williamson.

A revista sublinha que a afirmação do ministro coincide com o início do processo de aprovação da política de defesa britânica. Durante esses cinco meses, o Ministério da Defesa do Reino Unido tentará receber mais financiamentos para evitar cortes no exército britânico.

Londres está estudando a possível redução do exército de 82 para 70 mil pessoas e o desmanche de dois navios de desembarque restantes da Marinha, pois, segundo o deputado do país, um de cada cinco soldados britânicos não é capaz de combater.

Em 15 de novembro, o ex-chefe do Comando Unido das Forças Armadas britânicas, general Richard Barrons, relatou sobre o estado lamentável do equipamento técnico do país, afirmando que este é "obsoleto há 20 anos".


Postar um comentário