Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Misterioso fornecimento: como Kiev pagará por 'armas gratuitas' dos EUA?

Os EUA fornecerão à Ucrânia sistemas de mísseis Javelin gratuitamente, afirmou o presidente ucraniano Pyotr Poroshenko. O especialista em ciências políticas, Semen Uralov, duvida que Washington vá fornecer armas de graça.


Sputnik

O presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, afirmou que Washington fornecerá sistemas de mísseis Javelin a Kiev por conta própria.


Lançamento a partir do sistema Javelin, foto de arquivo
Lançamento do míssil Javelin | CC0 / U.S. Army Europe / Saber Strike 2016

De acordo com comandante do Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia, Viktor Muzhenkov, os EUA podem fornecer mísseis nos próximos meses, enquanto Kiev está se preparando para recebê-los, treinando operadores e organizando espaço para guardar as armas dos EUA.

O especialista em ciências políticas, Semen Uralov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, mostrou-se duvidoso quanto ao fornecimento gratuito dos EUA de material bélico à Ucrânia, assinalando que entrega de armas faça parte de um "grande negócio".

"Duvido que saibamos toda a verdade. A entrega de armas aos aliados sempre faz parte de um grande negócio, sendo raríssima a revelação do que está por trás da negociação. Por exemplo, o mistério da entrega de armas norte-americanas aos mujahidin no Afeganistão foi revelado semente agora – 30 anos depois. Do mesmo modo, estão sendo revelados fornecimentos de armas à Líbia e a outros países. Ou seja, trata-se de um grande negócio que exige silêncio", assinalou o especialista.

De acordo com ele, cedo ou tarde a Ucrânia pagará aos EUA, só que não com dinheiro.

"Quanto ao preço que se paga, os acordos podem ser de dois tipos: diretos, ou seja, quando os norte-americanos ganham dinheiro diretamente com a venda de armas, e associados, quando as armas são fornecidas por conta de ativos físicos, ou seja, de terra, portos, e assim por diante. A Ucrânia ainda possui muitos ativos materiais atraentes. Por exemplo, a infraestrutura portuária, tudo que esteja relacionado à agricultura, especialmente com a produção de gramíneas. Como eu sei, corporações norte-americanas estão ativamente operando naquela zona, o que pode fazer parte do acordo sobre ativos ucranianos. Então, em minha opinião, a presença deste esquema é bem provável", ressaltou Semen Uralov.

No ano passado, a administração de Donald Trump aprovou fornecimento de armas letais à Ucrânia, inclusive mísseis antitanque Javelin. Por sua vez, Rússia se mostra preocupada com o passo entre os dois países por poder levar ao agravamento do conflito em Donbass.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas