Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Netanyahu a Palestina: 'Quem não quer discutir a paz com os EUA não quer a paz'

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse nesse domingo que não concordaria com as tentativas de privar os Estados Unidos do seu papel como principal mediador nas negociações de assentamentos entre Israel e Palestina.


Sputnik

"Tenho uma mensagem para Abu Mazen [pseudônimo de Mahmoud Abbas]. Não pode haver uma substituição do papel principal dos Estados Unidos no processo político. Quem não quer discutir a paz com os EUA não quer a paz", disse Netanyahu na reunião com embaixadores israelenses.


U.S. President Donald Trump and Israel’s Prime Minister Benjamin Netanyahu shake hands as they deliver remarks before a dinner at Netanyahu’s residence in Jerusalem May 22, 2017
Donald Trump e Benjamin Netanyahu © REUTERS/ Ariel Schalit/Pool

No início do mês, o líder palestino Mahmoud Abbas disse que a Palestina não reconheceria os Estados Unidos como mediadores na solução do conflito com Israel. O movimento foi feito no contexto da recente decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital israelita e de mudar a localização da embaixada estadunidense para a cidade disputada.

"Nós dizemos 'não' a Trump. Não aceitamos o chamado 'acordo do século'". Não reconheceremos os Estados Unidos como mediadores nas negociações com Israel", disse Abbas em uma reunião extraordinária do Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina.

Autoridades dos EUA sob o governo de Trump têm prometido em várias ocasiões um "acordo do século" que assegurará um processo de paz regional abrangente e irá pôr fim ao confronto israelo-palestino. No entanto, os detalhes do plano não são claros.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas