Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Exército sírio bombardeia terroristas restantes no sul do país (VIDEO)

O exército sírio retomou os ataques de artilharia maciços contra os terroristas restantes na região de Tulul al Safa no deserto de As-Suwayda, no sul do país, depois de eles terem violado a trégua, segundo uma fonte do Exército.
Sputnik

De acordo com uma fonte que falou com a Sputnik Árabe, na terça-feira (16), o Exército sírio e os terroristas que ocupam as colinas de Tulul al Safa firmaram um acordo de cessar-fogo, segundo o qual os combatentes da Frente al-Nusra (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) se comprometeram a entregar as armas depois de serem cercados e sem saída.


Contudo, na manhã da quarta-feira (17) os terroristas atacaram as unidades do Exército sírio. Por sua vez, os soldados repeliram o ataque com êxito e contra-atacaram. Como resultado, dezenas de militantes foram mortos ou feridos. O Exército resolveu retomar os ataques maciços com peças de artilharia apoiadas do ar, tendo como objetivo eliminar as forças terroristas restantes até a épo…

Netanyahu a Palestina: 'Quem não quer discutir a paz com os EUA não quer a paz'

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse nesse domingo que não concordaria com as tentativas de privar os Estados Unidos do seu papel como principal mediador nas negociações de assentamentos entre Israel e Palestina.


Sputnik

"Tenho uma mensagem para Abu Mazen [pseudônimo de Mahmoud Abbas]. Não pode haver uma substituição do papel principal dos Estados Unidos no processo político. Quem não quer discutir a paz com os EUA não quer a paz", disse Netanyahu na reunião com embaixadores israelenses.


U.S. President Donald Trump and Israel’s Prime Minister Benjamin Netanyahu shake hands as they deliver remarks before a dinner at Netanyahu’s residence in Jerusalem May 22, 2017
Donald Trump e Benjamin Netanyahu © REUTERS/ Ariel Schalit/Pool

No início do mês, o líder palestino Mahmoud Abbas disse que a Palestina não reconheceria os Estados Unidos como mediadores na solução do conflito com Israel. O movimento foi feito no contexto da recente decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital israelita e de mudar a localização da embaixada estadunidense para a cidade disputada.

"Nós dizemos 'não' a Trump. Não aceitamos o chamado 'acordo do século'". Não reconheceremos os Estados Unidos como mediadores nas negociações com Israel", disse Abbas em uma reunião extraordinária do Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina.

Autoridades dos EUA sob o governo de Trump têm prometido em várias ocasiões um "acordo do século" que assegurará um processo de paz regional abrangente e irá pôr fim ao confronto israelo-palestino. No entanto, os detalhes do plano não são claros.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas