Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

OLP não vai mais reconhecer Israel até o mesmo status ser concedido à Palestina

O Comitê Executivo da Organização de Libertação da Palestina (OLP) decidiu congelar o reconhecimento do Estado de Israel até que se reconheça o Estado da Palestina, informou à Sputnik o conselheiro do presidente palestino, Mahmoud Abbas, Nabil Shaath.


Sputnik

O Comitê Executivo da organização se reuniu por dois dias em Ramallah para responder à proclamação de Jerusalém como a capital de Israel pelos Estados Unidos.


Presidente Palestino Mahmoud Abbas preside na reunião da Organização para a Libertação da Palestina em Ramallah
Presidente palestino Mahmoud Abbas © AFP 2018/ FADI AROURI

O relatório final diz que Israel deve reconhecer o estado palestino nas fronteiras de 4 de junho de 1967, bem como reconhecer Jerusalém Oriental como a capital palestina e pôr fim às colônias judaicas dos territórios ocupados. A OLP também declarou suspensos os acordos assinados em Oslo, Cairo e Washington para transição no conflito.

O documento também renovou a decisão de suspender a coordenação da segurança com Israel nos territórios ocupados, uma medida tomada em março de 2015, mas que o presidente Mahmoud Abbas não tem respeitado desde então. O Comitê também exortou quebrar o relacionamento de dependência econômica em relação a Israel assumido com o Acordo Econômico de Paris, a fim de criar uma economia própria.

A OLP rejeitou o "regime do apartheid" criado por Israel e a "todos os tipos de situações transitórias sugeridas pelo Estado judeu, incluindo o das fronteiras provisórias, bem como o reconhecimento de Israel como um estado judeu".


Postar um comentário