Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

OLP não vai mais reconhecer Israel até o mesmo status ser concedido à Palestina

O Comitê Executivo da Organização de Libertação da Palestina (OLP) decidiu congelar o reconhecimento do Estado de Israel até que se reconheça o Estado da Palestina, informou à Sputnik o conselheiro do presidente palestino, Mahmoud Abbas, Nabil Shaath.


Sputnik

O Comitê Executivo da organização se reuniu por dois dias em Ramallah para responder à proclamação de Jerusalém como a capital de Israel pelos Estados Unidos.


Presidente Palestino Mahmoud Abbas preside na reunião da Organização para a Libertação da Palestina em Ramallah
Presidente palestino Mahmoud Abbas © AFP 2018/ FADI AROURI

O relatório final diz que Israel deve reconhecer o estado palestino nas fronteiras de 4 de junho de 1967, bem como reconhecer Jerusalém Oriental como a capital palestina e pôr fim às colônias judaicas dos territórios ocupados. A OLP também declarou suspensos os acordos assinados em Oslo, Cairo e Washington para transição no conflito.

O documento também renovou a decisão de suspender a coordenação da segurança com Israel nos territórios ocupados, uma medida tomada em março de 2015, mas que o presidente Mahmoud Abbas não tem respeitado desde então. O Comitê também exortou quebrar o relacionamento de dependência econômica em relação a Israel assumido com o Acordo Econômico de Paris, a fim de criar uma economia própria.

A OLP rejeitou o "regime do apartheid" criado por Israel e a "todos os tipos de situações transitórias sugeridas pelo Estado judeu, incluindo o das fronteiras provisórias, bem como o reconhecimento de Israel como um estado judeu".


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas