Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: exército sírio parou de avançar para Afrin

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou que as tropas do governo sírio deixaram de avançar para a cidade de Afrin "após consultas", realizadas pelo líder turco nesta segunda-feira.
Sputnik

As tropas do governo sírio "foram realmente detidas ontem (segunda-feira)", afirmou Erdogan, segundo a agência de notícias Anadolu. Segundo o chefe de Estado, isso aconteceu "após consultas". No entanto, Erdogan não especificou à que consultas estaria se referindo.


Nesta segunda-feira, o líder turco discutiu a situação em Afrin durante conversa telefônica com seus homólogos russo e iraniano, Vladimir Putin e Hassan Rouhani.

Erdogan também afirmou que as milícias pró-governo que tentaram entrar em Afrin nesta terça-feira, e que foram repelidas pelas tropas turcas, o fizeram por iniciativa própria.

"A milícia síria decidiu entrar em Afrin por conta própria. Isso é inaceitável e não ficará sem resposta", alertou Erdogan.

Anteriormente, a imprensa infor…

Opinião: EUA criam problema na península coreana e depois esperam ajuda da Rússia

Presidente dos EUA, Donald Trump, acusou Rússia de "não ajudar" na regularização da questão coreana. Pesquisador-chefe do Centro de pesquisas coreanas da Academia de Ciências da Rússia, Yevgeny Kim, explicou as raízes do problema que pode vir a se explodir.


Sputnik

Além disso, Rússia é acusada de ajudar Pyongyang a esquivar sanções da ONU. Trump destacou que "as ações" da Rússia fazem com Pyongyang diariamente se aproxime da criação de míssil capaz de atingir território norte-americano.


Resultado de imagem para exercicio militar coreia do sul e eua
Exercício militar entre a Coreia do Sul e EUA | Reprodução

Líder dos EUA frisou que três de seus antecessores, Bill Clinton, George Bush e Barak Obama, foram incapazes de resolver o problema norte-coreano. Trump acredita que presidente russo, Vladimir Putin, "pode fazer muito" para contribuir na resolução da crise norte-coreana, mas o nível baixo das relações entre os dois países, detalhou Trump, impossibilita êxitos visíveis na questão coreana.

Analista Yevgeny Kim comentou o assunto para serviço russo da Rádio Sputnik. Para ele, são os próprios Estados Unidos culpados pela situação em que se encontra hoje em dia península coreana.

"O problema foi criado, porque os EUA não quiseram garantir a segurança da Coreia do Norte, realizando o tempo todo manobras para treinar ataque ao território norte-coreano e eliminação das autoridades locais. Em resposta, Pyongyang começou a criar armas nucleares. Se os norte-americanos normalizassem relações com Coreia do Norte, isto nunca teria acontecido", disse analista.

Agora, prosseguiu ele, Washington, ao continuar ameaçando Pyongyang, incluindo-a na lista de países vilões, exige que Rússia e China ajudem a pressionar Coreia do Norte.

"Não fomos nós que criamos este problema, e, sim, a presença permanente dos EUA na Coreia do Sul e manobras incessantes que causam este problema", lembrou Yevgeny Kim.

Ele lembrou que Rússia cumpre todas as resoluções do Conselho de Federação da ONU que além das sanções pressupõem negociações também, que Washington não quer realizar. No início de janeiro, Pyongyang deu os primeiros passos para começar o diálogo com vizinho do Sul, mas EUA não se agradaram muito da ideia, considera analista.

"Eles [EUA] rejeitaram o plano sobre congelamento duplo, proposto pela China e Rússia. O que vocês propõem, então? Continuar pressionando e eliminar a Coreia do Norte como Estado? Claro que nós não podemos apoiar isto", resumiu Kim.

O plano da Rússia e China pressupõe que Pyongyang suspenda seu programa nuclear e realização de lançamentos de mísseis em troca de suspensão permanente das manobras de Seul e Washington. EUA ignoraram a iniciativa.


Postar um comentário