Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

Pence adverte que EUA sairão de acordo nuclear com Irã se não houver mudanças

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse nesta segunda-feira que "o acordo nuclear com o Irã é um desastre" e advertiu que "os EUA se retirarão imediatamente" se o mesmo não for modificado.


EFE

"Como deixou claro o presidente (Donald) Trump, esta é a última tentativa e, caso não haja mudanças no acordo nuclear com o Irã, os Estados Unidos deixarão o acordo nuclear imediatamente", declarou o vice-presidente americano no parlamento israelense durante a visita oficial que realiza ao país.


EFE/ Ariel Schalit
Mike Pence | EFE/ Ariel Schalit

Pence destacou que o acordo nuclear firmado em 2015 "só adia o momento em que o Irã conseguirá uma arma nuclear".

O vice-presidente acrescentou que os EUA "não voltarão a certificar" o mecanismo que suspende as sanções ao Irã por seu programa nuclear e sobre o qual deve se pronunciar a cada 120 dias por imperativo legal, a não ser que o acordo seja modificado, como advertiu Trump no dia 12, a última vez em que renovou este dispositivo.

"Os EUA jamais permitirão que o Irã consiga uma arma nuclear", reiterou Pence diante do parlamento, que o explodiu em aplausos, a começar pelo premiê israelense, Benjamin Netanyahu, um forte opositor do acordo, que considera o Irã uma das principais ameaças para Israel e o resto do mundo.

O vice-presidente americano comentou que seu país "seguirá trabalhando com as nações de todo o mundo e com Israel para fazer frente ao maior Estado que dirige e patrocina o terrorismo: a República Islâmica do Irã", "uma ditadura brutal" que quer "dominar o Oriente Médio" e "semear o caos na região".

Diante disto, Pence reiterou o compromisso de seu país com "a segurança, a prosperidade e a paz", durante a visita oficial de menos de 48 horas que realiza em Israel e com a qual vai encerrar seu giro pelo Oriente Médio, que não inclui reuniões com os palestinos.


Postar um comentário