Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Poderia a Rússia deixar EUA sem Internet ao cortar cabos de comunicação no Atlântico?

Um portal on-line prognosticou uma situação em que a Rússia atacaria os cabos de Internet colocados no fundo dos oceanos. O artigo foi publicado em meio às declarações do comando da OTAN sobre os riscos criados pelas atividades dos submarinos russos.


Sputnik

Ao longo de muitos anos, os altos oficiais da Marinha dos EUA têm avisado sobre as consequências catastróficas que se criariam na sequência de um provável ataque dos navios russos contra os cabos de Internet, assinala o portal Wired.


Cruzador porta-mísseis nuclear pesado Pyotr Veliky no Oceano Atlântico
Cruzador pesado porta-mísseis nuclear Pyotr Veliky | Assessoria de imprensa da Frota do Norte

Esta opinião tem sido compartilhada por seus colegas britânicos, que asseguram que tal ataque acarretaria em uma falência financeira para o país.

Além disso, a OTAN planeja restaurar um posto de comando da época da Guerra Fria, com o objetivo de defender as comunicações subaquáticas das ações hostis de Moscou, destaca o portal.

Entretanto, os autores frisam que os militares ocidentais exageram muito sobre o perigo. Cada dia, um dos 428 cabos existentes no mundo fica danificado. Na maioria dos casos, a causa são terremotos ou âncoras de navios. Porém, os internautas nem reparam nas rupturas, pois os dados são automaticamente redirecionados para outras linhas.

Por isso, assegura a edição, caso os submarinos russos cortem vários cabos no Atlântico, isto não prejudicará muito o funcionamento da rede. Mesmo se a Rússia romper todos os cabos neste oceano, o tráfego ainda pode ser redirecionado para os cabos do Pacífico.

Além disso, se a Rússia conseguir, de algum modo milagroso, deixar os EUA completamente sem Internet, os americanos poderão usar os cabos terrestres para criar a rede de comunicações dentro do seu país, resume a edição.

Mais cedo, os especialistas russos chamaram de fantasiosas as frases sobre a intenção russa de danificar os cabos no Atlântico. O especialista em assuntos militares, editor-chefe da revista Arsenal Otechestva, Viktor Murakhovsky, afirmou que Moscou tem uma oportunidade teórica de romper as comunicações subaquáticas no oceano Atlântico, porém, sua realização não passa de fruto da imaginação do Estado-Maior do exército britânico.

O porta-voz da embaixada russa no Reino Unido, por sua vez, assinalou que as declarações dos militares britânicos em relação a esta alegada "ameaça" são um pretexto para aumentar o orçamento militar.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas