Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: exército sírio parou de avançar para Afrin

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou que as tropas do governo sírio deixaram de avançar para a cidade de Afrin "após consultas", realizadas pelo líder turco nesta segunda-feira.
Sputnik

As tropas do governo sírio "foram realmente detidas ontem (segunda-feira)", afirmou Erdogan, segundo a agência de notícias Anadolu. Segundo o chefe de Estado, isso aconteceu "após consultas". No entanto, Erdogan não especificou à que consultas estaria se referindo.


Nesta segunda-feira, o líder turco discutiu a situação em Afrin durante conversa telefônica com seus homólogos russo e iraniano, Vladimir Putin e Hassan Rouhani.

Erdogan também afirmou que as milícias pró-governo que tentaram entrar em Afrin nesta terça-feira, e que foram repelidas pelas tropas turcas, o fizeram por iniciativa própria.

"A milícia síria decidiu entrar em Afrin por conta própria. Isso é inaceitável e não ficará sem resposta", alertou Erdogan.

Anteriormente, a imprensa infor…

Polônia espera 'presença mais ampla' de tropas americanas no seu território

A Polônia espera que o contingente norte-americano no país seja aumentado, declarou o ministro da Defesa polonês, Mariusz Blaszczak.


Sputnik

O ministro realizou negociações com o conselheiro do presidente Trump para a segurança nacional.


Veículos militares do Exército dos EUA cruzam a fronteira polonesa em Alszyna, na Polônia, 12 de janeiro de 2017, com destino à nova base de Zagan
Tropas dos EUA na Polônia © AP Photo/ Czarek Sokolowski

Atualmente na Polônia se encontram 4.000 militares norte-americanos, integrados na brigada dos EUA e forças multinacionais da OTAN. O anterior ministro polonês da Defesa, Antoni Macierewicz, declarou várias vezes que Polônia pretende ter duas brigadas americanas no seu território.

"Esperamos uma presença mais ampla das tropas americanas na Polônia. Garantimos que a presença será útil não apenas para a segurança da Polônia, mais para parte significativa da Europa. Estou falando da parte central da Europa de Leste", disse Blaszczak.

Ele informou também que, entre outras, foi negociada a compra de armas nos EUA "a serem integradas com os armamentos das tropas americanas".


Postar um comentário