Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Polônia espera 'presença mais ampla' de tropas americanas no seu território

A Polônia espera que o contingente norte-americano no país seja aumentado, declarou o ministro da Defesa polonês, Mariusz Blaszczak.


Sputnik

O ministro realizou negociações com o conselheiro do presidente Trump para a segurança nacional.


Veículos militares do Exército dos EUA cruzam a fronteira polonesa em Alszyna, na Polônia, 12 de janeiro de 2017, com destino à nova base de Zagan
Tropas dos EUA na Polônia © AP Photo/ Czarek Sokolowski

Atualmente na Polônia se encontram 4.000 militares norte-americanos, integrados na brigada dos EUA e forças multinacionais da OTAN. O anterior ministro polonês da Defesa, Antoni Macierewicz, declarou várias vezes que Polônia pretende ter duas brigadas americanas no seu território.

"Esperamos uma presença mais ampla das tropas americanas na Polônia. Garantimos que a presença será útil não apenas para a segurança da Polônia, mais para parte significativa da Europa. Estou falando da parte central da Europa de Leste", disse Blaszczak.

Ele informou também que, entre outras, foi negociada a compra de armas nos EUA "a serem integradas com os armamentos das tropas americanas".


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas