Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Por que motivo Su-27 escoltou avião de reconhecimento dos EUA?

O Departamento de Estado dos EUA expressou grande preocupação por causa da intercepção por um caça russo de uma aeronave de reconhecimento sobre o mar Negro e apelou a Moscou para parar tais ações a fim de evitar acidentes e colisões perigosos.


Sputnik

Antes, o Ministério da Defesa da Rússia comunicou que um avião de reconhecimento radioeletrônico ЕР-3Е Aries II da Marinha dos EUA fora escoltado por um Su-27 sobre as águas neutras do mar Negro. A Marinha dos EUA se referiu à intercepção como insegura.


Caças russos Su-27
Sukhoi Su-27 © Sputnik/ Sergei Skrynnikov

A representante do Departamento de Estado, Heather Nauert, declarou que o Su-27 russo se aproximou do avião norte-americano a uma distância insegura no espaço aéreo internacional. Segundo ela, "a aeronave norte-americana atuava conforme a lei internacional, enquanto a parte russa violou gravemente os acordos existentes e normas internacionais, neste caso, o Acordo de 1972 de Prevenção de Incidentes Sobre o Alto Mar (INCSEA em inglês)."

O major-general e piloto emérito da Rússia Vladimir Popov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik explicou por que motivo o avião russo escoltou a aeronave norte-americana.

"Em primeiro, é importante saber a que distância das nossas fronteiras e em que circunstâncias estava o avião de reconhecimento. Em segundo lugar, normalmente os nossos aviões são bons na identificação e determinação das capacidades das aeronaves. Pode ter acontecido algo imprevisto e o avião [norte-americano] tenha perdido a orientação no espaço e esteja se aproximando do território de outro país para se orientar."

Neste caso, o avião russo tem dois objetivos: identificar e ajudar caso seja necessário. Por isso, não se pode falar diretamente de "intercepção". Os aviões de combate russos só fazem intercepções se uma aeronave viola a fronteira e entra no território da Rússia. "Nesse caso, podem ser usadas armas em relação ao avião infrator".

"Aqui não houve ameaça de uso de armas", disse Popov. "Somente efetuaram a identificação do avião." Ele concluiu dizendo que, na prática internacional, tais procedimentos são aplicados por qualquer país que cuida da sua segurança.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas