Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Primeiro voo do Aero L-159T2

A Aero Vodochody realizou o primeiro voo do treinador a jato L-159T2 de dois lugares em 1º de agosto. O voo de 30 minutos foi conduzido pelos pilotos de testes da empresa Vladimír Kvarda e David Jahoda.
Poder Aéreo

A Força Aérea Tcheca encomendou três exemplares em 2016, que devem ser entregues até o final deste ano. As aeronaves L-159 são operadas pelas forças aéreas tcheca e iraquiana, pela empresa americana Draken International e, no passado, foram alugadas pela Força Aérea Húngara para treinamento de pilotos.

Estas novas aeronaves de assento duplo T2 têm uma fuselagem central e dianteira recém-construída e apresentam várias melhorias significativas, principalmente em equipamentos de cockpit e sistema de combustível, e são totalmente compatíveis com o NVG. Cada cockpit é equipado com duas telas multifuncionais e um assento de ejeção VS-20 atualizado. A aeronave também pode oferecer uma capacidade de reabastecimento sob pressão. O radar GRIFO, já em uso na versão de um único assento, a…

Por que motivo Su-27 escoltou avião de reconhecimento dos EUA?

O Departamento de Estado dos EUA expressou grande preocupação por causa da intercepção por um caça russo de uma aeronave de reconhecimento sobre o mar Negro e apelou a Moscou para parar tais ações a fim de evitar acidentes e colisões perigosos.


Sputnik

Antes, o Ministério da Defesa da Rússia comunicou que um avião de reconhecimento radioeletrônico ЕР-3Е Aries II da Marinha dos EUA fora escoltado por um Su-27 sobre as águas neutras do mar Negro. A Marinha dos EUA se referiu à intercepção como insegura.


Caças russos Su-27
Sukhoi Su-27 © Sputnik/ Sergei Skrynnikov

A representante do Departamento de Estado, Heather Nauert, declarou que o Su-27 russo se aproximou do avião norte-americano a uma distância insegura no espaço aéreo internacional. Segundo ela, "a aeronave norte-americana atuava conforme a lei internacional, enquanto a parte russa violou gravemente os acordos existentes e normas internacionais, neste caso, o Acordo de 1972 de Prevenção de Incidentes Sobre o Alto Mar (INCSEA em inglês)."

O major-general e piloto emérito da Rússia Vladimir Popov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik explicou por que motivo o avião russo escoltou a aeronave norte-americana.

"Em primeiro, é importante saber a que distância das nossas fronteiras e em que circunstâncias estava o avião de reconhecimento. Em segundo lugar, normalmente os nossos aviões são bons na identificação e determinação das capacidades das aeronaves. Pode ter acontecido algo imprevisto e o avião [norte-americano] tenha perdido a orientação no espaço e esteja se aproximando do território de outro país para se orientar."

Neste caso, o avião russo tem dois objetivos: identificar e ajudar caso seja necessário. Por isso, não se pode falar diretamente de "intercepção". Os aviões de combate russos só fazem intercepções se uma aeronave viola a fronteira e entra no território da Rússia. "Nesse caso, podem ser usadas armas em relação ao avião infrator".

"Aqui não houve ameaça de uso de armas", disse Popov. "Somente efetuaram a identificação do avião." Ele concluiu dizendo que, na prática internacional, tais procedimentos são aplicados por qualquer país que cuida da sua segurança.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas