Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Seul celebra decisão de Pyongyang em suspender testes nucleares e de mísseis

Presidente sul-coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano Kim Jong-un irão se encontrar na próxima sexta-feira (27).
EFE

O governo da Coreia do Sul qualificou neste sábado (21) como um "progresso significativo" para a desnuclearização da Coreia do Norte a decisão do regime de Pyongyang de suspender os seus testes atômicos e de mísseis, assim como o fechamento de seu centro de testes nucleares.

Em um comunicado enviado pelo gabinete presidencial sul-coreano, Seul considerou que "a decisão da Coreia do Norte é significativa para a desnuclearização da península coreana" e disse, além disso, que "ajudará a criar um ambiente muito positivo para o sucesso das próximas cúpula intercoreana e entre o Norte e Estados Unidos".

O governo sul-coreano se comprometeu em preparar o iminente encontro entre seu presidente, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, previsto para o próximo dia 27, de modo a "liderar o caminho para a desnuclearização e paz duradour…

Premiê de Israel: Irã pretende manter um exército de 100 mil xiitas na Síria

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que Irã pretende deslocar um exército de 100 mil "mercenários" xiitas para a Síria, no âmbito dos seus planos de "conquista e colonização" do país árabe.


Sputnik

Durante uma reunião com embaixadores dos países-membros da OTAN, Netanyahu alertou que a realização desses planos pode reacender o conflito no país vizinho. O premiê reiterou que Israel não admitirá a presença militar iraniana nas proximidades de suas fronteiras.


Benjamin Netanyahu discursa durante a Assembleia Geral da ONU em setembro de 2012
Benjamin Netanyahu discursando na ONU © AP Photo/ Richard Drew

"No âmbito dos planos iranianos de conquista e de colonização da Síria, eles querem transportar 100 mil combatentes xiitas para lá, que estão sendo importados pelo Irã. Estrangeiros sob comando iraniano", explicou Netanyahu.

"Se o Irã conseguir alcançar esse objetivo, trazer cem mil combatentes xiitas para a Síria, o conflito será reaceso", alertou o chefe de governo israelense.

O político afirmou que a necessidade de combater os grupos armados xiitas abrirá caminho para o ressurgimento de um "filho do Daesh e neto da Al-Qaeda".

"Para onde isso tudo seguirá? Para a Europa. Para onde se dirigirá o fluxo de pessoas? Para a Europa. E quem nesse momento está combatendo isso? Nesse momento somente Israel", disse Netanyahu, ao convocar os diplomatas ocidentais a se unir no combate ao islamismo radical xiita, tanto quanto sunita.


Postar um comentário