Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Quem vai receber 'resposta esmagadora' do Irã pelo atentado em Ahvaz?

No sábado (22), militantes armados abriram fogo contra uma parada militar na cidade de Ahvaz, matando 29 pessoas e ferindo outras 60. O Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, que perdeu 12 de seus militares no atentado, prometeu que o Irã daria uma "resposta esmagadora" aos envolvidos no ataque. Mas de quem Teerã irá se vingar?
Sputnik

A responsabilidade pelo atentado foi assumida pelo Movimento Democrático Patriótico Árabe de Ahvaz (Al-Ahvazia), ligado à Arábia Saudita.

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, comentando a tragédia, afirmou que os atacantes receberam dinheiro da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos e que tinham sido apoiados pelos EUA.

Ex-chefe do Conselho de Cultura da administração presidencial iraniana, doutor Abbas Amirifar, acredita que por trás do ataque em Ahvaz estão países do Ocidente que "têm uma atitude hostil perante o Irã".

"Vale destacar que os terroristas que disseram estar envolvidos no atentado instalaram-se no Oc…

Premiê de Israel: Irã pretende manter um exército de 100 mil xiitas na Síria

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que Irã pretende deslocar um exército de 100 mil "mercenários" xiitas para a Síria, no âmbito dos seus planos de "conquista e colonização" do país árabe.


Sputnik

Durante uma reunião com embaixadores dos países-membros da OTAN, Netanyahu alertou que a realização desses planos pode reacender o conflito no país vizinho. O premiê reiterou que Israel não admitirá a presença militar iraniana nas proximidades de suas fronteiras.


Benjamin Netanyahu discursa durante a Assembleia Geral da ONU em setembro de 2012
Benjamin Netanyahu discursando na ONU © AP Photo/ Richard Drew

"No âmbito dos planos iranianos de conquista e de colonização da Síria, eles querem transportar 100 mil combatentes xiitas para lá, que estão sendo importados pelo Irã. Estrangeiros sob comando iraniano", explicou Netanyahu.

"Se o Irã conseguir alcançar esse objetivo, trazer cem mil combatentes xiitas para a Síria, o conflito será reaceso", alertou o chefe de governo israelense.

O político afirmou que a necessidade de combater os grupos armados xiitas abrirá caminho para o ressurgimento de um "filho do Daesh e neto da Al-Qaeda".

"Para onde isso tudo seguirá? Para a Europa. Para onde se dirigirá o fluxo de pessoas? Para a Europa. E quem nesse momento está combatendo isso? Nesse momento somente Israel", disse Netanyahu, ao convocar os diplomatas ocidentais a se unir no combate ao islamismo radical xiita, tanto quanto sunita.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas