Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Pyongyang pede que Seul abandone manobras com EUA para eliminar tensões

Para a Coreia do Norte, testes elevam o risco de guerra. Pedido ocorre dias depois que Seul e Washington concordaram em atrasar suas manobras militares até os jogos de Inverno.


EFE


O regime da Coreia do Norte pediu, nesta quinta-feira (11), para a Coreia do Sul que abandone suas manobras militares com os Estados Unidos, já que considera que estas são "o fator principal" que alimenta a tensão na península coreana e que eleva o risco de guerra.

Chefe da delegação norte-coreana, Ri Son Gwon aperta a mão com o seu homólogo sul-coreano Cho Myoung-gyon durante a reunião na área desmilitarizada de Panmunjom, nesta terça-feira (9) (Foto: Yonhap via REUTERS)
Chefe da delegação norte-coreana, Ri Son Gwon aperta a mão com o seu homólogo sul-coreano Cho Myoung-gyon durante a reunião na área desmilitarizada de Panmunjom, nesta terça-feira (9) (Foto: Yonhap via REUTERS)

"Se as autoridades sul-coreanas realmente querem paz, eles devem parar todo tipo de ações militares", afirmou o principal jornal norte-coreano, "Rodong Sinmun". O artigo afirma que as manobras são o principal foco de tensão e levam a Coreia "para uma fase perigosa, onde a situação pode ser imprevisível".

A petição de Pyongyang é uma das reivindicações permanentes do regime a Seul e se espera que seja posta de volta na mesa, quando os dois países retomarem as negociações militares sob o acordo alcançado na terça-feira (9), quando representantes dos dois países se encontraram pela primeira vez em dois anos. As datas das próximas negociações devem ser anunciadas por Seul nesta semana.

A demanda da Coreia do Norte ocorre poucos dias depois que Seul e Washington concordaram em atrasar suas manobras militares anuais até o fim dos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang, o pretexto que desencadeou um momento conciliador entre as duas Coreias.

"Antes de mais nada, devemos aliviar as graves tensões militares entre Norte e Sul e preparar um ambiente pacífico na península", disse o líder norte-coreano, Kim Jong-un, no artigo do "Rodong".

O jornal estatal norte-coreano afirma que "a tensão militar leva a um círculo vicioso de confronto" e insiste em que sua supressão "e a eliminação do risco de guerra na península coreana é uma questão importante para a unificação das pessoas e reunificação do país", que precisam realizar sem intervenção.

Neste sentido, o "Rodong Sinmun" ataca os Estados Unidos, assegurando que o país "está constantemente agravando" a situação com o objetivo de alcançar "sua ambição de supremacia mundial".

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas