Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Rússia pede suspensão total do bloqueio saudita ao Iêmen

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, pediu nesta segunda-feira a suspensão total do bloqueio imposto ao Iêmen pela Arábia Saudita, ao reunir-se em Moscou com seu homólogo iemenita, Abdelmalik al Mejlafi.


EFE

"É importante conseguir a suspensão total do bloqueio marítimo e aéreo, a anulação de todas as limitações para o fornecimento de alimentos, remédios e outros bens de primeira necessidade", disse Lavrov ao final da reunião com Al Mejlafi, representante do governo iemenita respaldado pela Arábia Saudita e pela ONU.


O ministro russo das relações exteriores, Sergei Lavrov. EFE/ Maxim Shipenkov
O ministro russo das relações exteriores, Sergei Lavrov. EFE/ Maxim Shipenkov

O chefe da diplomacia russa elogiou a decisão de Riad de suspender temporariamente o bloqueio sobre o porto iemenita de Hodeida, no oeste do país, para permitir a entrada de ajuda humanitária no país árabe, no qual oito milhões de pessoas estão em risco de fome.

A coalizão saudita impôs o bloqueio total de todos os portos e aeroportos do Iêmen em novembro do ano passado, depois que os rebeldes houthis lançaram um míssil balístico contra a cidade de Riad.

Lavrov ressaltou que a Rússia mantém contatos tanto com o governo iemenita reconhecido pela ONU como com os rebeldes houthis - que controlam as áreas mais povoadas do país árabe, incluindo sua capital, Saná -, e defendeu a imediata implementação de um processo político para pôr fim à guerra.

"Confiamos que a duríssima situação humanitária estimulará a se passar das ações militares às negociações, à regulação política com participação de todas as partes iemenitas", declarou o ministro russo.

No Iêmen, quase 80% da população necessita de ajuda humanitária de forma urgente, segundo um recente relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

O conflito iemenita começou no final de 2014 quando os rebeldes houthis tomaram Saná e ganhou dimensão internacional desde que a coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita começou a apoiar pouco depois o governo do presidente Abd Rabbuh Mansur al Hadi, exilado em Riad.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas