Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

OTAN se prepara para maiores exercícios militares desde 2002

A OTAN está se preparando para realizar seus maiores exercícios militares desde 2002. Trata-se dos Trident Juncture 2018, dos quais participarão mais de 40.000 militares de 30 países membros e parceiros da OTAN.
Sputnik

A fase principal das manobras irá ser realizada entre os dias 25 de outubro e 7 de novembro, na Noruega e áreas vizinhas, com exercícios preliminares nas águas ao largo da costa da Islândia de 15 a 17 de outubro.

Defender-se contra 'qualquer ameaça em qualquer momento'

O objetivo dos exercícios é a dissuasão e defesa contra "qualquer ameaça, de qualquer lugar e em qualquer momento", explicou nesta semana o almirante da Marinha dos EUA a jornalistas em Bruxelas, James G. Foggo III, comandante dos exercícios.

O militar revelou que os Trident Juncture mostram que a OTAN está unida e pronta para se defender valendo-se da defesa coletiva. Neste sentido, o cenário dos exercícios inclui uma violação da soberania de um aliado da OTAN, neste caso da Noruega.

Ao mesm…

Serviços de inteligência dos EUA reconhecem que subestimaram Pyongyang

Os serviços de inteligência dos EUA reconheceram que subestimaram significativamente o potencial do programa nuclear e de mísseis da Coreia do Norte, informou o jornal norte-americano The New York Times com referência a fontes no governo e serviços de segurança.


Sputnik

A inteligência dos EUA informou a Donald Trump, no início da sua presidência, que o processo de criação do míssil norte-coreano capaz de atingir o território dos EUA levará até quatro anos e que Washington terá bastante tempo para abrandar ou perturbar o desenvolvimento das armas.


Teste da bomba de hidrogênio da Coreia do Norte
Teste da bomba de hidrogênio da Coreia do Norte © AFP 2017/ Jung Yeon-Je

Entretanto, passado seis meses, em 3 de setembro, a Coreia do Norte realizou um teste bem-sucedido de uma bomba de hidrogênio 15 vezes mais potente do que a lançada sobre a cidade japonesa de Hiroshima em 1945. Além disso, os mísseis de Pyongyang, segundo o jornal, mostraram a capacidade de atacar o território de Guam, costa oeste dos EUA, bem como Washington.

De acordo com The New York Times, o fracasso da inteligência de prever os sucessos de Pyongyang está ligado ao fato de que segundo as previsões dos EUA, o desenvolvimento das novas armas da Coreia do Norte levará tanto tempo quanto era necessário na Guerra Fria. Os serviços de inteligência não levaram em conta que Pyongyang pode obter acesso aos projetos estrangeiros e prestaram pouca atenção aos numerosos testes de mísseis em 2016 e 2017. Para os funcionários da administração e dos serviços de inteligência norte-americanos este é "o maior erro dos EUA".

O conselheiro de Segurança Nacional, Herbert McMaster, revelou que Trump não está preocupado com o erro dos serviços de inteligência e "entende que a inteligência ideal não é possível no campo das habilidades e intenções". O jornal sublinhou que agora o presidente dos EUA enfrenta o mesmo problema que seus antecessores, mas Trump tem muito menos tempo para resolvê-lo.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas