Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Síria nega aviso da Turquia e condena ataque contra Afrin

O governo da Síria condenou a operação militar turca recentemente lançada no distrito de Afrin, no norte da Síria, disse o Ministério de Relações Exteriores sírio em um comunicado neste sábado.


Sputnik

No início do dia, o Estado-Maior turco declarou o início da operação denominada Ramo de Oliveira contra as forças curdas em Afrin.


Fumaça vista sobre a região de Afrin, na Síria, a partir de uma imagem feita da cidade turca de Hassa, na fronteira entre os dois países
Afrin, Síria © REUTERS/ Osman Orsal

"A República Árabe da Síria condena decisivamente a agressão turca contra a cidade de Afrin, que é uma parte inseparável da Síria", afirmou o comunicado, tal como citado pela agência de notícias síria SANA.

O ministério sírio acrescentou que o movimento do turco foi mais uma violação da soberania da Síria, que não foi avisada sobre a operação por Ancara.

"A Síria nega completamente as reivindicações do regime turco de que foi informado desta operação militar", disse uma fonte síria.

Em 20 de janeiro, o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, disse que os jatos do país bombardearam posições dos partidos curdos YPG e PYD na cidade síria de Afrin.

"Dos 113 alvos designados do grupo terrorista sírio curdo da União Democrática (PYD), 108 foram destruídos a partir das 18:30 [15:30 GMT]. Todos os mortos e feridos, que foram enviados para hospitais, são membros de grupos terroristas", afirmou a declaração do Estado-Maior turco.

De acordo com a agência de notícias turca Anadolu, as aeronaves atingiram um posto de observação do PYD no distrito norte de Afriria, na Síria. Os jatos turcos F-16 realizaram greves em seis alvos em Afrin, enquanto as Forças Armadas lançaram bombardeios de artilharia da província de Kilis, na fronteira com a Síria, informou o jornal turco Hurriyet.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, confirmou o início da operação militar em Afrin.

"A operação de Afrin foi de fato iniciada no terreno", disse Erdogan, acrescentando que "será seguida [por uma operação em] Manbij".

O Ministério de Relações Exteriores da Turquia disse que Ancara notificou por escrito a Damasco e as Nações Unidas sobre o progresso da ofensiva militar em Afrin.

"Estamos notificando o regime sírio, bem como todos os outros lados, incluindo as Nações Unidas, sobre a operação por escrito", disse Cavusoglu, citado pela emissora NTV.

A Turquia ameaçou lançar uma operação em Afrin desde a semana passada depois que os EUA anunciaram que começaria a treinar uma força de segurança da fronteira composta pelas Forças Democráticas da Síria (SDF), afiliada às Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG), que Ankara considerado um grupo terrorista.

A ação da Turquia aumenta a perspectiva de tensões mais profundas entre Ancara e Washington.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas