Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

Sistemas russos Pantsir vão receber mísseis antidrone

Sistemas antiaéreos russos Pantsir vão receber um novo projétil desenhado especificamente para derrubar alvos menores, como mísseis e drones de fabricação caseira.


Sputnik

O novo míssil incorpora a experiência dos sistemas Pantsir na Síria e está sendo testado. Ele foi batizado de Gvozd ("prego", tradução do idioma russo) por ser de pequeno tamanho.


Pantsir-S1, sistema russo de defesa antiaérea
Pantsir S1 © Sputnik/ Sergei Subbotin

Depois da tentativa de atacar bases russas na Síria com drones, analistas militares começaram a analisar as implicações e possíveis meios de defesa para enfrentar a nova ameaça.

A Rússia conseguiu neutralizar consequências do ataque graças à combinação dos sistemas de luta radioeletrônica e os Pantsir, que comprovaram eficácia na hora de derrubar drones e projéteis.

Mesmo assim, o Ministério da Defesa da Rússia não fechou os olhos para a nova ameaça, iniciando desenvolvimento de um novo projétil, melhor adaptado para derrubar alvos pequenos, assinala o jornal russo Izvestia.

Projéteis existentes podem ser usados para atacar drones e cilindros de gás – arma popular entre os terroristas na Síria –, mas sua utilização é custosa, sendo assim, o novo míssil promete combinar eficácia e custo.

Como resultado, surgiu míssil antiaéreo guiado de tamanho e peso reduzidos que já é capaz de acertar alvos em treinamento.

A principal novidade do projétil é que tem um motor somente em sua primeira "etapa"; ao se aproximar do alvo, a ogiva se separa do impulsor com ajuda do acelerador de pólvora. A princípio, o projétil é mais simples: sacrifica o alcance ao manter uma alta manobrabilidade.

O design do novo míssil garante carregamento de até quatro projéteis no tubo de lançamento convencional do Pantsir-S1, aumentando capacidade de ataque simultâneo, comentou ao jornal russo o especialista militar Anton Lavrov.

"Normalmente, os novos projéteis antiaéreos levam alguns anos para entrar em serviço, mais é necessário levar em consideração as circunstâncias existentes."

De acordo com Anton Lavrov, tais projéteis são necessários para neutralizar ameaças enfrentadas pelas bases russas de Hmeymim e Tartus, que foram atacadas pouco tempo atrás por "drones kamikazes".


Postar um comentário