Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

Tillerson anuncia negociações importantes com a Rússia sobre tratados bélicos

Os EUA e a Rússia têm negociações "muito importantes" antes dos tratados INF (Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário) e START (Tratado Estratégico de Redução de Armas), disse o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson.


Sputnik

"Estamos planejando negociações muito importantes sobre o Tratado START e o Tratado INF", disse o chefe da diplomacia dos EUA em entrevista à CNN.


O ministro russo das Relações Exteriores, Sergey Lavrov e o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, chegam para uma coletiva de imprensa após as suas conversações em Moscou.
Rex Tillerson e Sergei Lavrov © REUTERS/ Sergei Karpukhin

Comentando o panorama das relações com a Rússia, Tillerson disse que pretende se concentrar nas questões mais importantes, como a Síria, a Ucrânia e a estabilidade na Europa Oriental.

Ele disse que seu país "reconhece as preocupações que a Rússia tem" a este respeito.

O Tratado sobre as Forças Nucleares Intermediárias (INF), assinado pelos Estados Unidos e a União Soviética em 1987, eliminou toda uma classe de armas nucleares, nomeadamente, mísseis balísticos e de cruzeiro com uma faixa entre 500 e 5.500 quilômetros.

A eliminação desses arsenais foi concluída na década de 1990 e foi confirmada por inspeções recíprocas.

No entanto, a Rússia e os EUA foram acusados em várias ocasiões de desenvolver sistemas que violam este pacto.

Em 2010, os EUA e a Rússia assinaram o novo START, em substituição de dois acordos anteriores, o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START) de 1991 e o Tratado Estratégico de Redução de Armas Ofensivas (SORT) de 2002.

Em vigor desde 2011, o novo START obriga a Rússia e os EUA a reduzir seus arsenais de armas estratégicas, incluindo armas nucleares.

O tratado, que regerá até 2021, estipula que cada partido corta sistemas estratégicos para 700 unidades e ogivas nucleares para 1.550 unidades.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas