Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Trump adverte Erdogan sobre ofensiva na Síria

Presidente americano teria alertado Turquia que suas tropas devem evitar entrar em confronto direto com as forças dos EUA na região, durante combate a milícias curdas no norte sírio.


Deutsch Welle

A Casa Branca informou nesta quarta-feira (25/01) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, advertiu o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, para que abreviasse as operações militares da Turquia no norte da Síria.


Em conversa telefônica, Trump teria advertido Erdogan para evitar confrionto entre tropas turcas e americanas
Em conversa telefônica, Trump teria advertido Erdogan para evitar confrionto entre tropas turcas e americanas

Em conversa telefônica, Trump teria alertado Erdogan que suas tropas devem evitar entrar em confronto direto com as forças americanas na região, além de pedir que a Turquia estabeleça limites para suas ações militares e evite fazer vítimas entre os civis.

Uma fonte do governo turco, porém, assegurou que a descrição da conversa entre os dois líderes, da forma como foi divulgada pela Casa Branca, "não reflete com precisão" o conteúdo do telefonema.

As operações turcas por terra e ar no enclave curdo da região de Afrin na Síria tem como alvo posições da milícia curdo-síria Unidades de Proteção do Povo (YPG), acusada por Ancara de associação com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), banido pelo governo turco por ser considerado uma organização terrorista.

Erdogan havia dito que estenderia a operação até Manbi, outro enclave dominado pelos curdos, a cerca de 100 quilômetros de Afrin. Essa operação poderia trazer riscos a forças americanas nas proximidades e ameaçar os planos de Washington para estabilizar essa parte da Síria.

Segundo um comunicado da Casa Branca, Trump teria pedido a Erdogan que "agisse como cautela e evitasse ações que pudessem gerar riscos de conflitos entre as forças turcas e americanas".

Entretanto, a fonte do governo turco citada por diversas agências de notícias negou a versão. "O presidente Trump não compartilhou 'preocupações com o agravamento da violência' em relação às operações militares em Afrin", disse, citando uma das passagens do resumo da conversa divulgado pela Casa Branca.

"A discussão entre os dois líderes sobre a Operação Ramo de Oliveira se limitou a troca de perspectivas", afirmou a fonte, que não quis se identificar.

Trump teria dito a Erdogan, em resposta a um pedido para que os EUA cessem o envio de armas ao YPG, que seu país não fornece armamentos à milícia, prometendo não voltar a fazê-lo no futuro.

Os EUA esperam utilizar o controle do YPG sobre a região para reforçar a capacidade de reavivar através da diplomacia as conversações de paz em Genebra sobre um pacto para pôr fim à guerra civil na Síria.

A Casa Branca afirma que Trump expressou preocupação com a retórica antiamericana "destrutiva e falsa" vinda da Turquia. A fonte do governo turco, porém, assegura que o presidente americano sequer utilizou essa frase durante a conversa. "Ele mencionou que as críticas abertas aos EUA geram preocupações em Washington", disse.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas