Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Turquia desmente conteúdo do diálogo entre Trump e Erdogan divulgado pela Casa Branca

As autoridades turcas afirmaram que Trump não se mostrou preocupado com a "escalada da violência em Afrin", nem comentou o estado de emergência declarado por Ancara há mais de um ano.


Sputnik

As autoridades da Turquia contestaram a veracidade do comunicado da Casa Branca, que divulgou o conteúdo da última conversa telegônica mantida nesta quarta-feira entre o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e o presidente dos EUA, Donald Trump, informou a agência Anadolu.


O presidente dos EUA, Donald Trump, conversa com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, na chegada entrada da Ala Oeste da Casa Branca, em Washington, EUA, em 16 de maio de 2017.
Donald Trump e Recep Tayyip Erdogan © REUTERS/ Joshua Roberts

Em seus desmentido, Ancara afirmou que Trump não expressou preocupação com "a escalada da violência em Afrin [na Síria], nem comentou o "estado de emergência na Turqia", declarado há mais de um ano, após a tentativa de golpe de estado contra o governo de Erdogan.

Em seu comunicado, a Casa Branca disse que Trump pediu por "cautela" e solicitou que as autoridades turcas "limitassem suas atividades militares em Afrin, para "evitar mortes de civis e um aumento no número de pessoas deslocadas e refugiadas".

Além disso, o texto da Casa Branca afirmou que o presidente norte-americano se mostrou preocupado com a "detenção de cidadãos e funcionários públicos locais, no âmbito do prolongado estado de emergência em vigor na Turquia".


Comentários

Postagens mais visitadas