Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: exército sírio parou de avançar para Afrin

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou que as tropas do governo sírio deixaram de avançar para a cidade de Afrin "após consultas", realizadas pelo líder turco nesta segunda-feira.
Sputnik

As tropas do governo sírio "foram realmente detidas ontem (segunda-feira)", afirmou Erdogan, segundo a agência de notícias Anadolu. Segundo o chefe de Estado, isso aconteceu "após consultas". No entanto, Erdogan não especificou à que consultas estaria se referindo.


Nesta segunda-feira, o líder turco discutiu a situação em Afrin durante conversa telefônica com seus homólogos russo e iraniano, Vladimir Putin e Hassan Rouhani.

Erdogan também afirmou que as milícias pró-governo que tentaram entrar em Afrin nesta terça-feira, e que foram repelidas pelas tropas turcas, o fizeram por iniciativa própria.

"A milícia síria decidiu entrar em Afrin por conta própria. Isso é inaceitável e não ficará sem resposta", alertou Erdogan.

Anteriormente, a imprensa infor…

Turquia desmente conteúdo do diálogo entre Trump e Erdogan divulgado pela Casa Branca

As autoridades turcas afirmaram que Trump não se mostrou preocupado com a "escalada da violência em Afrin", nem comentou o estado de emergência declarado por Ancara há mais de um ano.


Sputnik

As autoridades da Turquia contestaram a veracidade do comunicado da Casa Branca, que divulgou o conteúdo da última conversa telegônica mantida nesta quarta-feira entre o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e o presidente dos EUA, Donald Trump, informou a agência Anadolu.


O presidente dos EUA, Donald Trump, conversa com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, na chegada entrada da Ala Oeste da Casa Branca, em Washington, EUA, em 16 de maio de 2017.
Donald Trump e Recep Tayyip Erdogan © REUTERS/ Joshua Roberts

Em seus desmentido, Ancara afirmou que Trump não expressou preocupação com "a escalada da violência em Afrin [na Síria], nem comentou o "estado de emergência na Turqia", declarado há mais de um ano, após a tentativa de golpe de estado contra o governo de Erdogan.

Em seu comunicado, a Casa Branca disse que Trump pediu por "cautela" e solicitou que as autoridades turcas "limitassem suas atividades militares em Afrin, para "evitar mortes de civis e um aumento no número de pessoas deslocadas e refugiadas".

Além disso, o texto da Casa Branca afirmou que o presidente norte-americano se mostrou preocupado com a "detenção de cidadãos e funcionários públicos locais, no âmbito do prolongado estado de emergência em vigor na Turquia".


Postar um comentário