Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Turquia quer frustrar planos de segurança dos EUA na fronteira com a Síria

O governo da Turquia informou nesta quarta-feira que tomará todas as medidas possíveis para frustrar os planos dos Estados Unidos para formar forças de segurança na fronteira síria, declarou o Conselho de Segurança turco.


Sputnik

"A Turquia não permitirá que um corredor terrorista seja criado perto de suas fronteiras, nem um exército terrorista (a Força de Segurança da Fronteira). Todas as medidas necessárias serão tomadas a este respeito", diz o comunicado do Conselho de Segurança.


Tanques do exército turco vão ao longo da fronteira síria (foto de arquivo)
Blindados turcos se deslocando para a fronteira com a Síria © AP Photo/ Halit Onur Sandal

A nota acrescenta que "todas as armas que foram fornecidas à organização terrorista, as forças de autodefesa dos curdos sírios (YPG), devem ser coletadas e encaminhadas imediatamente".

Mais uma vez, Ancara reiterou a sua condenação ao apoio de Washington aos curdos sírios, o que os turcos vêem como uma ligação ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão turco (PKK), designado como organização terrorista na Turquia.

Ancara também ameaçou iniciar uma ofensiva contra os curdos na Síria.

Tais impasses fizeram o Conselho Nacional turco considerar que medidas devam ser tomadas imediatamente contra ameaças na fronteira com a Síria, as quais tenham potencial para ameaçar os interesses e a população da Turquia.

No mesmo comunicado, o conselho demandou que todas as armas enviadas aos curdos sírios pelos EUA sejam devolvidas sem demora, e que Ancara não irá admitir que se forme um "exército terrorista" na fronteira síria.

Plano dos EUA

Os EUA planejam criar uma força de segurança nas fronteiras na Síria, o que foi condenado pelo governo sírio de Bashar Assad, que chamou tais atividades de agressão e ocupação.

O coronel Thomas Veale, assessor de assuntos públicos da coalizão dirigida pelos EUA, disse em uma entrevista ao site The Defense Post, publicada no sábado, que a coalizão havia treinado as Forças Democráticas da Síria (SDF) para criar uma força de 30.000 homens para manter a segurança ao longo das fronteiras da Síria.

Nesta quarta-feira, o ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, disse que havia discutido o problema com o chefe do Pentágono, James Mattis.

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que os planos dos EUA para criar a força da fronteira mostram a falta de interesse de Washington em preservar a integridade da Síria.

Estado de emergência

Além disso, o Conselho de Segurança Nacional da Turquia recomendou na quarta-feira prolongar por mais três meses o estado de emergência que havia sido introduzido após o fracassado golpe de Estado em julho de 2016.

"Foi decidido propor uma extensão do estado de emergência por mais três meses", afirmou o conselho em um comunicado na sequência de uma reunião presidida pelo presidente turco Recep Tayyip Erdogan.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas