Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No decorrer da operação Ramo de Oliveira será criada zona de segurança na Síria

O primeiro-ministro turco Binali Yildirim anunciou a criação, durante a operação militar turca na província síria de Afrin, de uma faixa de segurança de 30 quilômetros.
Sputnik

O premiê, citado pela emissora Haberturk, adiantou também que a operação seria efetuada em quatro etapas.


"A operação vai decorrer em 4 etapas com o objetivo de criar uma faixa de segurança de 30 quilômetros, que será limpa de terroristas", disse o político, citado pela emissora NTV.

Yildirim adiantou que até agora não há mortos ou feridos entre o contingente turco que realiza a operação.

Mais cedo, o Estado-Maior da Turquia anunciou o início da operação "Ramo de Oliveira" contra os grupos curdos na província síria de Afrin, que começou precisamente às 14h00 locais (12h00 no horário de Brasília). De acordo com a entidade militar, a operação conta com a participação de 72 aviões, enquanto 108 dos 113 alvos planejados já foram eliminados. Há poucos dias, o premiê turco, Binali Yildirim, havia avanç…

Unidade ultranacionalista ucraniana oculta ter recebido armas norte-americanas

A assessoria de imprensa da unidade ultranacionalista Azov da Guarda Nacional ucraniana apagou do seu site uma postagem sobre recebimento de lança-granadas norte-americanos PSRL-1.


Sputnik

"A Guarda Nacional da Ucrânia, antes da publicação mencionada acima, negou a existência de lança-granadas PSRL no regimento Azov", notou na quinta-feira (11) a agência de notícias ucraniana Unian, que percebeu desaparecimento da matéria.


Envio de cadetes da unidade ucraniana Azov à zona conflituosa no sudeste ucraniano
Unidade ucraniana Azov © Sputnik/ Aleksandr Maksimenko

O artigo publicado em 22 de julho de 2017 foi intitulado "Lança-granadas da terceira companhia militar do segundo batalhão testaram novos RPG [granada lançada por foguete]". A publicação não está mais no site, contudo, como confirmou a Sputnik, a matéria (captura da tela) permanece no cash do Google.

"Em 20 de julho, a terceira companhia militar do segundo batalhão da unidade Azov efetuou tiros com lança-granadas PSRL-1, recebidos há pouco tempo", diz-se na publicação apagada. O artigo foi publicado juntamente com três fotos de soldados com lança-granadas vestidos com uniforme da Azov.

Os militares, segundo relatórios, avaliaram tiros como "excelentes". "A vantagem dos novos lança-granadas é que a sua distância de pontaria é muito grande. Além disso, podem ser equipados com quaisquer pontarias, incluindo noturnas e térmicas", estipulava o artigo. "A desvantagem principal" seria aquecimento rápido.

Segundo comunicou anteriormente a Sputnik Polônia, referindo-se ao jornalista Yuri Butusov, a Ucrânia compra armas letais de companhias privadas. Na primeira remessa, as Forças Armadas da Ucrânia receberam espingardas Barrett M82 e M107. Também, segundo Butusov, o exército ucraniano teria recebido em abril 100 lança-granadas PSRL-1, que foram adquiridos em abril de 2017 da companhia norte-americana AirTronic.

Butusov acredita que estes fornecimentos sejam "simbólicos". Para ele, órgãos reguladores dos EUA sabiam sobre o fornecimento, mas não o impediram.

Autoridades de Kiev, ao longo de três anos, tentaram conseguir receber armas letais dos EUA. Atualmente, Washington presta assistência militar à Ucrânia, mas, por enquanto, oficialmente através de fornecimento de uniforme e munições, bem como do preparo dos soldados da Guarda Nacional da Ucrânia.

Em dezembro de 2017, a administração de Donald Trump aprovou o plano de fornecimento à Ucrânia de armas letais, incluindo mísseis antitanque. A Rússia inúmeras vezes criticou fornecimento de armas letais à Ucrânia por acreditar que a ação somente poderá agravar o conflito em Donbass.


Postar um comentário