Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Washington: armamos os curdos para libertar Raqqa, não para passar as armas adiante

Os Estados Unidos armaram as Forças Democráticas da Síria durante a ofensiva para libertar Raqqa, na Síria, do grupo terrorista Daesh, mas não forneceram armas a outros grupos da região, disse a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, durante uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira.


Sputnik

"Os Estados Unidos forneceram armas às Forças Democráticas da Síria para uso em Raqqa, na Síria, para retomar Raqqa do ISIS [Daesh] e eles conseguiram fazê-lo", disse Nauert. "Essas armas eram específicas para essa missão, não estamos fornecendo nada a outros grupos na área".


Combatentes das Forças Democráticas da Síria (FDS) ao norte da cidade de Raqqa
Combatentes das Forças Democráticas da Síria em Raqqa © REUTERS/ Rodi Said

Recentemente, um membro do comando das Forças Democráticas da Síria foi citado pela Reuters dizendo que o grupo havia matado dezenas de forças turcas e rebeldes, aliadas ao Exército Livre da Síria desde o início da operação militar turca "Ramo de Oliveira".

Mais cedo, as Forças Democráticas da Síria anunciaram o envio de reforços para Afrin.

Em 20 de janeiro, o Estado-Maior turco anunciou o início da operação Ramo de Oliveira contra os grupos curdos na cidade síria de Afrin. No domingo (21), o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, declarou que a operação terrestre em Afrin havia começado. Além da Turquia, das ações militantes participam combatentes do Exército Livre da Síria.

Damasco condenou fortemente as ações da Turquia, frisando que Afrin é parte integrante da Síria. Moscou apelou a que todos os lados mostrem contenção e respeitem a integridade territorial síria.


Comentários

Postagens mais visitadas