Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Mílicia de Lugansk denuncia chegada de mercenários estrangeiros a Donbass

Milícia independentista da república autoproclamada de Lugansk tem informações sobre a chegada a Donbass de mercenários estrangeiros para combater ao lado de militares ucranianos, declarou na sexta-feira (19) o representante oficial da entidade responsável pela defesa da república, Andrei Marochko.
Sputnik

"Segundo os nossos dados, nesta semana ao povoado de Popasnaya, na zona de responsabilidade da 14ª brigada mecanizada das Forças Armadas da Ucrânia, chegaram 20 mercenários que falavam as línguas georgiana e polonesa", contou Marochko.


Em 2014, as autoridades ucranianas iniciaram uma operação militar contra as repúblicas populares de Donetsk e de Lugansk, que declararam sua independência depois do golpe do Estado que ocorreu na Ucrânia em 2014. Segundo as últimas estimativas da ONU, as ações militares em Donbass resultaram na morte de mais de 10 mil pessoas.

Em fevereiro de 2015, as partes em conflito assinaram os acordos de paz de Minsk para acabar com os combates na região, …

Washington: armamos os curdos para libertar Raqqa, não para passar as armas adiante

Os Estados Unidos armaram as Forças Democráticas da Síria durante a ofensiva para libertar Raqqa, na Síria, do grupo terrorista Daesh, mas não forneceram armas a outros grupos da região, disse a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, durante uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira.


Sputnik

"Os Estados Unidos forneceram armas às Forças Democráticas da Síria para uso em Raqqa, na Síria, para retomar Raqqa do ISIS [Daesh] e eles conseguiram fazê-lo", disse Nauert. "Essas armas eram específicas para essa missão, não estamos fornecendo nada a outros grupos na área".


Combatentes das Forças Democráticas da Síria (FDS) ao norte da cidade de Raqqa
Combatentes das Forças Democráticas da Síria em Raqqa © REUTERS/ Rodi Said

Recentemente, um membro do comando das Forças Democráticas da Síria foi citado pela Reuters dizendo que o grupo havia matado dezenas de forças turcas e rebeldes, aliadas ao Exército Livre da Síria desde o início da operação militar turca "Ramo de Oliveira".

Mais cedo, as Forças Democráticas da Síria anunciaram o envio de reforços para Afrin.

Em 20 de janeiro, o Estado-Maior turco anunciou o início da operação Ramo de Oliveira contra os grupos curdos na cidade síria de Afrin. No domingo (21), o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, declarou que a operação terrestre em Afrin havia começado. Além da Turquia, das ações militantes participam combatentes do Exército Livre da Síria.

Damasco condenou fortemente as ações da Turquia, frisando que Afrin é parte integrante da Síria. Moscou apelou a que todos os lados mostrem contenção e respeitem a integridade territorial síria.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas