Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

Almirante norte-americano adverte que laços entre Rússia e América Latina ameaçam EUA

As relações da Rússia com os países da América Latina poderiam representar uma ameaça para os EUA, declarou o chefe do Comando Sul norte-americano, Kurt Tidd.


Sputnik

"O crescente papel da Rússia no nosso hemisfério é muito preocupante, dada a sua inteligência e capacidade cibernética, bem como a sua intenção de minar a estabilidade e a ordem internacional e desacreditar as instituições democráticas", disse Tidd perante um comitê do senado norte-americano.


Resultado de imagem para Kurt Tidd
Almirante Kurt Tidd | Miami Today

Acrescentou que, se não for controlada, a presença de Rússia poderia se tornar "uma ameaça crítica para os EUA".

De acordo com o militar norte-americano, um maior acesso da Rússia aos postos em Cuba, Nicarágua e Venezuela torna possível "uma coleta de inteligência marítima mais frequente e uma demonstração de força no hemisfério ocidental".

"As relações sólidas com os três países fornecem à Rússia uma plataforma regional para focalizar as instalações e ativos dos Estados Unidos e das nações parceiras", salientou.

Tidd acrescentou que "a Rússia é um concorrente estratégico que tenta ativamente enfraquecer as alianças dos EUA e prejudicar seus interesses na região".

A Rússia tenta difundir informações falsas na América Latina através de seus meios de comunicação em espanhol, declarou Tidd.

"Moscou tenta moldar falsamente o ambiente informativo da América Latina através de seus dois serviços dedicados a notícias e informações em espanhol, e através de suas campanhas de influência para afetar o sentimento público", disse.

No início de fevereiro, o Ministério russo do Exterior declarou que a política da Rússia para a América Latina "é aberta, não se baseia em ideologia, que carece de uma agenda oculta e não está dirigida contra ninguém". A chancelaria russa também salientou que as relações com os Estados da América Latina são baseadas em interesses comuns e que a cooperação desenvolve-se em vários domínios.

O Ministério do Exterior russo fez as declarações em resposta às palavras do secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, que em 1 de fevereiro questionou a crescente presença da Rússia na América Latina.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas