Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Almirante norte-americano alerta sobre guerra com China

O almirante Harry Harris, chefe do Comando do Pacífico dos EUA no Havaí e indicado de Trump para embaixador norte-americano na Austrália, solicitou que Washington cooperasse mais com Camberra para conter a crescente influência da China na região da Ásia-Pacífico.


Sputnik

Ele afirmou que a intenção de Pequim em dominar o mar do Sul da China é "cristalina" e que os EUA ignoram o alerta e deixam "por nossa conta e risco".


Resultado de imagem para almirante Harry Harris
Almirante Harry Harris | Reprodução

"Futuramente, o impressionante desenvolvimento militar da China poderá desafiar os norte-americanos em quase todos os domínios […] Se os Estados Unidos não seguirem o ritmo, [Comando do Pacífico dos EUA] lutará para competir com o Exército Popular de Libertação em futuros campos de batalha", comentou Harris.

"No final do dia, a capacidade de fazer guerra é importante para não se tornar um “tigre de papel". Espero que isso não cause conflito com a China, mas temos que estar prontos", disse.

Neste sentido, o almirante destaca a Austrália como um "aliado-chave dos EUA" e também "um dos alicerces da ordem internacional baseado em regras" que, segundo ele, a China está empenhada em minar.

"Procuro ajuda de meus parceiros australianos, admiro sua liderança em campos de batalha e em corredores de poder no mundo […] Eles são aliados-chave dos EUA e estiveram conosco em cada grande conflito desde a 1ª Guerra Mundial", enfatizou Harris.

Enquanto isso, o embaixador chinês nos EUA, Cui Tiankai, alertou que "é extremamente paranoico temer que a China, em busca do seu próprio caminho de desenvolvimento, entre em confronto com os EUA".

Recentemente o jornal chinês Global Times criticou a postura da Austrália em relação à situação no mar do Sul da China, acusando Camberra de "intromissão" na região, estando de "bajulação com os EUA" e desafiando a soberania e os interesses marítimos da China.

No inquérito de seus interesses nacionais e diplomáticos divulgados em novembro de 2017, Camberra disse que estava "particularmente preocupada com o ritmo do aumento sem precedentes das atividades dos chineses" no mar do Sul da China, que atrai a disputa de vários países.

Pequim tem defendido sua reinvindicação na área através da construção de ilhas artificias ao redor das ilhas Spratly. No ano passado, a China construiu cerca de 290 mil metros quadrados de instalações, incluindo depósitos de armazenamento subterrâneos, edifícios administrativos e grandes instalações de radar.

Com o pretexto de "liberdade de navegação", a Marinha dos Estados Unidos continua a patrulhar áreas remotas diante dos protestos chineses.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas