Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Brasil comemora 20 anos do fim do conflito entre Peru e Equador

O Brasil irá comemorar nesta terça-feira os 20 anos do fim dos conflitos na fronteira entre Peru e Equador, que se prolongaram por quase 170 anos e que causaram várias guerras, tensões e enfrentamentos entre ambos os países.
EFE

Brasília - O Acordo Global e Definitivo de Paz entre Equador e Peru foi assinado em 26 de outubro de 1998 em Brasília, que voltará a ser palco de um encontro entre representantes dessas duas nações, mas agora para reafirmar "o valor e a eficácia da diplomacia e da solução pacífica de controvérsias", diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

A cerimônia contará com a participação do equatoriano José Ayala Lasso e do peruano Fernando de Trazegnies Granda, que eram os chanceleres de seus países na ocasião da assinatura e tiveram participação ativa nas negociações, e será presidido pelo ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes.

Segundo a nota oficial, a comemoração "também evidencia, uma vez mais, a capacidade regional de responder e…

Bombardeios da coalizão matam combatentes pró-regime na Síria

Cerca de 100 pessoas morreram, segundo fonte militar americana.


France Presse

A coalização liderada pelos Estados Unidos bombardeou tropas pró-governo no leste da Síria e matou dezenas de soldados, anunciou nesta quinta-feira (8) a mídia estatal síria.

Resultado de imagem para Bombardeios da coalizão liderada pelos Estados Unidos mataram 100 combatentes na Síria
Os confrontos acontecem em um momento de grande tensão entre Washington e Damasco com o retorno das suspeitas do uso de armas químicas pelo regime de Assad e as milícias aliadas ao governo Foto: Mauricio Lima/The New York Times

Uma fonte militar americana disse à France Presse que mais de 100 membros das forças leais ao regime do presidente Bashar al-Assad morreram nos bombardeios por "legítima defesa" da coalizão antijihadista.

"Consideramos que mais de 100 membros das forças pró-regime sírias morreram em confrontos com as Forças Democráticas Sírias (os rebeldes apoiados por Washington) e as forças da coalizão", afirmou a fonte.

Já o Observatorio Sírio de Direitos Humanos, que monitora o conflito, afirma que o número de mortos é de ao menos 45.

A agência de notícias oficial SANA informou que o ataque, que prosseguiu até a madrugada desta quinta-feira (8), atingiu combatentes tribais da cidade de Khusham, na província de Deir el-Zour.

A operação teria sido motivada por um ataque desses combatentes tribais contra posições das Forças Democráticas Sírias (SDF, na sigla em inglês), grupo rebelde liderado pelos curdos e que tem o apoio de Washington.

Militares americanos disseram na noite de quarta-feira que lançaram os ataques aéreos após cerca de 500 dos combatentes pró-regime começarem o que pareceu ser um ataque coordenado a um grupo de membros das SDF e assessores americanos.

Os confrontos acontecem em um momento de grande tensão entre Washington e Damasco com o retorno das suspeitas do uso de armas químicas pelo regime Assad e pelas milícias aliadas ao governo.

A SANA classificou o ocorrido de “agressão”.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas