Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

'Cadê a coalizão?' Confira VÍDEO chocante das consequências da liberação de Mossul

Em julho de 2017, o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou que forças iraquianas, apoiadas pelos EUA e pela coalizão internacional, libertaram a cidade de Mossul do longo pesadelo nas mãos do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países).


Sputnik

O vídeo chocante mostra devastação e destruição completa na sequência do bombardeamento fortíssimo, realizado pela coalizão encabeçada pelos EUA, durante a ofensiva pela segunda maior cidade iraquiana de Mossul. A cidade, antes próspera, está coberta por cadáveres de civis, inclusive por corpos de crianças, que a coalizão falhou em salvar, bem como por militantes que se encontram no meio do lixo e escombros de edifícios destruídos. Os cadáveres já entraram em estado de decomposição, infestando a cidade com cheiro insuportável e prejudicando saúde dos que ainda estão vivos.


Ataque aéreo contra terroristas em Mossul, Iraque (foto de arquivo)
Ataque aéreo a Mossul, Iraque © AP Photo/ Felipe Dana

"Os cadáveres estão por todos os lados; nas casas, nas ruas. O cheiro está nos matando", afirmou Nashwan Khairi, morador local de um dos distritos de Mossul.

"Cadê o governo? Cadê o governo que nos prometeu limpar a área de todos os corpos e consequência da guerra que podem prejudicar saúde e provocar doenças em todas as pessoas que estão regressando à área?", perguntou retoricamente Khairi. "Será que só sabem fazer promessas pela TV?"

O homem se mostrou preocupadíssimo com a situação na cidade, que está piorando cada vez mais, já que os residentes locais não receberam apoio algum desde a gloriosa libertação de Mossul.

Ele recordou também das promessas de Washington, qualificando-as como "mentira".

"Aqui não tem [forças da] coalizão. Cadê a coalizão? Que eles venham e falem! Quem chegou? Honestamente, ninguém. Eles estão com medo de aparecer aqui!", afirmou o homem.

Mossul foi completamente libertada dos terroristas do Daesh em julho de 2017 no resultado da operação lançada pelas forças iraquianas e a coalizão dos EUA. Segundo dados da ONU, a operação matou ao menos 2.521 civis e feriu 1.673.



Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas