Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

Chefe da OTAN: 'não queremos Guerra Fria ou corrida armamentista com a Rússia'

A OTAN não pretende enfrentar uma Guerra Fria ou uma corrida armamentista com a Rússia e ainda espera melhorar as relações com Moscou, disse o secretário-geral da aliança, Jens Stoltenberg.


Sputnik

"A OTAN é uma aliança defensiva, tudo o que fazemos é proporcional e ponderado. Após a Guerra Fria, os aliados reduziram os gastos e o potencial militar e tentaram por anos estabelecer uma colaboração com a Rússia", disse Stoltenberg.


Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN
Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN © REUTERS/ Francois Lenoir

A avaliação foi feita em resposta a uma questão de jornalistas sobre como a organização reage às acusações de provocar uma nova corrida de armamentos.

O chefe da OTAN novamente acusou a Rússia pelo que ele considera uma anexação ilegal da Crimeia e a desestabilização do leste da Ucrânia.

"Em resposta, tomamos medidas defensivas e proporcionadas, aumentando a presença militar no flanco leste da aliança, mas ao mesmo tempo procuramos melhorar as relações com a Rússia. Não queremos uma nova Guerra Fria ou uma corrida armamentista", disse Stoltenberg.

Ele afirmou que a abordagem da OTAN em relação à Rússia combina defesa e diálogo.

"Temos de ser firmes, previsíveis, mas ao mesmo tempo trabalharemos para melhorar as relações e o diálogo com a Rússia", afirmou.

A Rússia repetidamente rejeitou as acusações de estar envolvida na crise no leste da Ucrânia e sublinhou que é um conflito interno ucraniano do qual não faz parte.

No que diz respeito à reunificação da Crimeia com a Rússia no âmbito do referendo de 2014, a Chancelaria russa declarou que respeita e aceita a decisão da população local, que manifestou de forma democrática e em plena conformidade com o direito internacional e a Carta da ONU a sua vontade de se juntar ao território russo, uma opção que reuniu mais de 96% dos votos nesta consulta.


Postar um comentário