Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Brasil comemora 20 anos do fim do conflito entre Peru e Equador

O Brasil irá comemorar nesta terça-feira os 20 anos do fim dos conflitos na fronteira entre Peru e Equador, que se prolongaram por quase 170 anos e que causaram várias guerras, tensões e enfrentamentos entre ambos os países.
EFE

Brasília - O Acordo Global e Definitivo de Paz entre Equador e Peru foi assinado em 26 de outubro de 1998 em Brasília, que voltará a ser palco de um encontro entre representantes dessas duas nações, mas agora para reafirmar "o valor e a eficácia da diplomacia e da solução pacífica de controvérsias", diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

A cerimônia contará com a participação do equatoriano José Ayala Lasso e do peruano Fernando de Trazegnies Granda, que eram os chanceleres de seus países na ocasião da assinatura e tiveram participação ativa nas negociações, e será presidido pelo ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes.

Segundo a nota oficial, a comemoração "também evidencia, uma vez mais, a capacidade regional de responder e…

Chefe da OTAN: 'não queremos Guerra Fria ou corrida armamentista com a Rússia'

A OTAN não pretende enfrentar uma Guerra Fria ou uma corrida armamentista com a Rússia e ainda espera melhorar as relações com Moscou, disse o secretário-geral da aliança, Jens Stoltenberg.


Sputnik

"A OTAN é uma aliança defensiva, tudo o que fazemos é proporcional e ponderado. Após a Guerra Fria, os aliados reduziram os gastos e o potencial militar e tentaram por anos estabelecer uma colaboração com a Rússia", disse Stoltenberg.


Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN
Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN © REUTERS/ Francois Lenoir

A avaliação foi feita em resposta a uma questão de jornalistas sobre como a organização reage às acusações de provocar uma nova corrida de armamentos.

O chefe da OTAN novamente acusou a Rússia pelo que ele considera uma anexação ilegal da Crimeia e a desestabilização do leste da Ucrânia.

"Em resposta, tomamos medidas defensivas e proporcionadas, aumentando a presença militar no flanco leste da aliança, mas ao mesmo tempo procuramos melhorar as relações com a Rússia. Não queremos uma nova Guerra Fria ou uma corrida armamentista", disse Stoltenberg.

Ele afirmou que a abordagem da OTAN em relação à Rússia combina defesa e diálogo.

"Temos de ser firmes, previsíveis, mas ao mesmo tempo trabalharemos para melhorar as relações e o diálogo com a Rússia", afirmou.

A Rússia repetidamente rejeitou as acusações de estar envolvida na crise no leste da Ucrânia e sublinhou que é um conflito interno ucraniano do qual não faz parte.

No que diz respeito à reunificação da Crimeia com a Rússia no âmbito do referendo de 2014, a Chancelaria russa declarou que respeita e aceita a decisão da população local, que manifestou de forma democrática e em plena conformidade com o direito internacional e a Carta da ONU a sua vontade de se juntar ao território russo, uma opção que reuniu mais de 96% dos votos nesta consulta.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas