Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Poloneses pedem a Trump ajuda para conseguir indenização da Rússia e Alemanha pela 2ª Guerra

Um auto-proclamado "partido bíblico antiglobalista" pró-EUA e pró-Israel da Polônia, que se autodenomina "Movimento 11 de novembro", criou uma petição no site We the People da Casa Branca pedindo ao presidente Donald Trump ajude a obter "compensação adequada" da Rússia e da Alemanha por danos causados ​​na Segunda Guerra Mundial.
Sputnik

"Os poloneses livres estão apelando para os EUA, o vencedor na Segunda Guerra Mundial e o fiador dos acordos do pós-guerra, para obter ajuda na recuperação das reparações de guerra da Alemanha e da Rússia", diz a petição.


Além de alcançar a "justiça histórica", uma campanha de reparações bem-sucedida desempenharia "um papel fundamental na Polônia, tornando-se um forte aliado dos Estados Unidos diante da ameaça que surge na Europa e na Ásia — um novo Império do Mal".

Falando ao The New American, uma pequena revista de propriedade da John Birch Society, o co-autor e vice-presidente do Movimento 11…

China espera que EUA deixem de classificar as relações internacionais como confronto

A China espera que os EUA parem de classificar as relações entre as principais potências do ponto de vista do confronto, disse o porta-voz do ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang.


Sputnik

"Esperamos que os EUA possam (…) parar de considerar as relações entre as grandes potências através do prisma de confronto e cooperar com a Rússia e a China, bem como com a comunidade internacional para garantir a paz e a estabilidade internacionais", afirmou Geng.


A bandeira da República Popular da China e as Estrelas e Listras dos Estados Unidos tremulam pela Avenida da Pensilvânia, perto do Capitólio dos EUA, durante a visita de Estado do presidente chinês, Hu Jintao em 18 de janeiro de 2011 (foto de arquivo).
Bandeiras da China e EUA © REUTERS/ Hyungwon Kang

Ele acrescentou que "não há segurança absoluta para nenhum país do mundo" e enfatizou que "a segurança de um país não pode ser garantida em detrimento da segurança de outros Estados".

Mais cedo, o Diretor de Inteligência Nacional dos Estados Unidos, Dan Coats, disse que a Rússia e a China representam ameaça aos EUA, inclusive no campo da segurança cibernética.

Além disso, ele declarou que "tanto a Rússia como a China continuam a desenvolver armas anti-satélites (ASAT) como meio de reduzir a eficácia militar dos Estados Unidos e seus aliados".


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas