Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Expansão da OTAN na Europa é uma 'relíquia da Guerra Fria', diz Putin

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse em entrevista à imprensa sérvia publicada nesta quarta-feira (horário local) que a Rússia não quer uma nova corrida armamentista.
Sputnik

"Não vamos fechar os olhos ao desdobramento de mísseis de cruzeiro dos EUA [na Europa] e sua ameaça direta à nossa segurança. Teremos que tomar medidas eficazes de retaliação. Mas como país responsável e sensato, a Rússia não está interessada em uma nova corrida armamentista", afirmou.


Segundo o presidente russo, Moscou enviou em dezembro a Washington algumas propostas sobre a manutenção do Tratado INF. Além disso, Putin destacou que a Rússia está pronta para um diálogo sério com os Estados Unidos sobre toda a agenda estratégica.

No entanto, os Estados Unidos parecem ter uma política de "desmantelamento" em relação ao controle global de armas, acrescentou o presidente russo.

Durante a entrevista aos meios de comunicação sérvios, Putin também instou os parceiros ocidentais a estabelecer um …

'China prepara ataque surpresa em Taiwan para desafiar os EUA'

O coronel aposentado da Marinha dos Estados Unidos, Mark Cancian, confirmou a possibilidade de a China lançar um ataque a Taiwan, revelando os supostos métodos que Pequim adotaria a este respeito, desafiando os Estados Unidos, de acordo com um novo relatório.


Pars Today 

"A China lançaria um ataque surpresa contra Taiwan para evitar uma possível declaração de independência. Mas não ataca forças dos EUA no Pacífico ", disse Cancian através de um relatório publicado na quinta-feira.



No relatório intitulado “Lidar com Surpresa em Grandes Conflitos de Energia”, em inglês, e preparado para o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), Cancian diz que, em seu plano de ataque, a China não enfrentaria muita dificuldade, porque "os EUA decidiria não lançar uma contra-ofensiva "e outros aliados regionais dele" declarariam a neutralidade”.

O relatório, da mesma forma, descreve como a China poderia abrir caminho para um ataque a Taiwan, semeando o caos em seu principal aliado, os EUA.

No âmbito de um possível cenário, a China recorreria ao ataque cibernético "Assassin's Mace" para "distrair as forças dos EUA". Pequim, que até agora se absteve de usar a força militar para reunificar a ilha, ameaçou em dezembro passado invadir a Taiwan em resposta ao ato dos EUA de armar a ilha.

Laços militares e não-militares entre Taiwan e os EUA.

Eles já foram criticados e rejeitados pela China, que prometeu recuperar o controle total da área até 2020. A China afirma que Taiwan é parte de seu território, embora desde 1949, e que os taiwaneses poderiam governar como uma nação com seus ministros e políticas nacionais e estrangeiras, independentemente de Pequim.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas