Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Coalizão liderada pelos EUA ataca forças pró-governo na Síria

A coalizão antiterrorista liderada pelos EUA declarou ter efetuado um golpe de resposta contra os militares sírios após as forças militares pró-governo terem atingido o Estado-Maior General das Forças Democráticas da Síria (SDF na sigla em inglês) onde se encontravam conselheiros norte-americanos.


Sputnik

"As forças pró-governo sírias iniciaram um ataque não provocado contra o Estado-Maior General das Forças Democráticas da Síria em 7 de fevereiro. Os militares da coalizão se encontravam na qualidade de conselheiros, assistentes e forças acompanhantes junto com os parceiros das SDF durante o ataque, à distância de oito quilômetros a leste da linha acordada de prevenção de conflitos no rio Eufrates", diz-se na declaração do comando.


Caça F-15E Strike Eagle da Força Aérea norte-americana
F-15 Eagle dos EUA © REUTERS/ Força Aérea dos EU

"Para proteção das forças da coalizão e parceiros, a coalizão efetuou golpes contra os atacantes para repelir o ato de agressão em relação aos parceiros que participam da luta contra o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia]", notam os militares.

Não há informação sobre os feridos na sequência do acidente. A coalizão sublinha que o objetivo principal de sua presença na Síria é a luta contra o Daesh, mas deixa para si o direito de autodefesa.

Damasco oficial ainda não comentou a declaração.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas