Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

Criação da Agência Naval de Segurança Nuclear e Qualidade

Na última segunda-feira, dia 5, ocorreu a Cerimônia de Mostra de Ativação da Agência Naval de Segurança Nuclear e Qualidade. Na ocasião, o Diretor-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha do Brasil, Almirante de Esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque, deu posse ao Contra-Almirante (RM1-EN) Humberto Moraes Ruivo como Diretor desta Agência, com a presença de membros do Alto Comando da Marinha do Brasil.


Poder Naval

Esta Agência vai trabalhar em consonância com o Ministério da Defesa (MD); Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC); Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI); Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen); Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e comunidade científica em geral. A Agência Naval de Segurança Nuclear e Qualidade contará com um corpo técnico constituído de oficiais, praças e civis.


Arte do submarino nuclear brasileiro | Reprodução

A Associação Brasileira de Energia Nuclear (Aben) esteve presente na cerimônia por meio de sua presidente, Olga Simbalista, e de seu 2º vice-presidente, Luciano Pagano, este também representando a Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. (Amazul), instituição em que ocupa o cargo de Diretor Técnico-Comercial.

O evento ocorreu no Salão Nobre do Edifício Almirante Tamandaré, no Centro do Rio de Janeiro, no dia 5 de fevereiro de 2018, às 11h30. A cerimônia contou com a presença de representantes da Marinha do Brasil, de instituições do setor nuclear brasileiro e universidades, dentre outras entidades.

A Agência Naval de Segurança Nuclear e Qualidade foi criada por meio da Portaria n° 120/MB, de 20 de abril de 2017, a qual alterou a denominação do Escritório de Desenvolvimento Tecnológico Industrial da Marinha. Trata-se de uma Organização Militar sem autonomia administrativa, devendo ser apoiada pela Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha (DGDNTM) e pelo Centro Tecnológico da Marinha no Rio de Janeiro (CTMRJ), com sede na cidade do Rio de Janeiro, com o propósito de atuar como órgão regulador e fiscalizador das atividades afetas à Segurança e ao Licenciamento Nucleares, na Marinha, de meios navais e instalações terrestres, bem como supervisionar as atividades da área de Qualidade da Marinha do Brasil.

FONTE: Associação Brasileira de Energia Nuclear (Aben)


Postar um comentário