Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

'Declarações sobre presença do exército sírio em Afrin são propaganda'

O porta-voz do presidente turco, Ibrahim Kalin, afirmou que as declarações sobre a entrada das tropas governamentais sírias em Afrin são "propaganda negra".


Sputnik

Antes, algumas mídias comunicaram que, na sequência de um acordo entre o exército sírio e as Unidades de Proteção Popular curdas (YPG), as tropas governamentais iriam ocupar uma série de posições na fronteira com a Turquia e na própria cidade de Afrin nos dois dias seguintes. A agência de notícias SANA comunicou ontem, segunda-feira (19), que os combatentes das Forças Democráticas da Síria poderiam entrar em Afrin nas próximas horas.


Resultado de imagem para exercito sirio
Tropas do exército sírio | Reprodução

O vice-premiê turco, Bekir Bozdag, disse que a Turquia por enquanto não tem confirmações oficiais de que as forças governamentais sírias possam entrar em Afrin. Estes dados, de acordo com Ancara, não correspondem à realidade.

"É perfeitamente claro que as informações sobre o acordo entre o regime e as YPG são propaganda negra. Contudo, isso não significa que lá não se faça uma negociação secreta e suja", citou na terça-feira (20) o jornal Hurriyet o porta-voz do presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

Ele acrescentou que a operação Ramo de Oliveira vai continuar.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas