Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Dependência dos EUA em armas nucleares aproxima mundo da aniquilação, diz ministro do Irã

A Revisão sobre Postura Nuclear (NPR, na sigla em inglês) dos Estados Unidos mostra a crescente dependência do país em armas nucleares, disse o ministro iraniano de Relações Exteriores, Javad Zarif, enfatizando que tal abordagem aproximaria a humanidade da destruição.


Sputnik

"A Revisão da Postura Nuclear dos EUA reflete uma maior dependência de armas nucleares, violando o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, trazendo a humanidade mais perto da aniquilação. Não é de admirar que o 'Relógio do fim do Mundo' aponte o momento mais perigoso desde 1953", escreveu Zarif, no Twitter.


Ministro das Relações Exeteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif
Ministro iraniano de Relações Exteriores, Javad Zarif © AP Photo/ Petr David Josek

O ministro iraniano também criticou a abordagem de Washington ao Plano Conjunto de Ação (JCPOA, na sigla em inglês) dizendo que a "teimosia" do presidente dos EUA, Donald Trump, em "acabar" com o acordo vem da mesma "imprudência perigosa".

O NPR, publicado na sexta-feira (2), afirma que é necessária uma dissuasão nuclear mais forte para desencorajar a Rússia, a China, o Irã e a Coreia do Norte, quer desenvolvendo novas armas ou expandindo os arsenais existentes.

Além disso, a doutrina prevê planos de curto prazo para modificar as ogivas de míssil balístico lançadas por submarino (SLBM, na sigla em inglês) existentes para fornecer uma opção de baixo rendimento e buscar um míssil de cruzeiro moderno lançado por mar com armas nucleares (SLCM) no longo prazo.

O NPR observa que essas atividades não se destinam a ser empregadas em uma guerra nuclear, no entanto, destinam-se a aumentar a capacidade nuclear dos EUA para garantir que os adversários potenciais do país não vejam nenhuma vantagem possível na escalada nuclear.

Postar um comentário