Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

Erdogan: Turquia quer devolver Manbij síria a seus 'verdadeiros donos'

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou que os EUA devem sair da cidade síria de Manbij, na província de Aleppo, em meio aos planos de Ancara de devolver a cidade a "seus verdadeiros donos".


Sputnik

Além do mais, o líder turco acredita que Washington faça "cálculos contra a Turquia, Irã e talvez também contra a Rússia" na Síria, declarando que a presença militar dos EUA na região era direcionada contra os países mencionados depois da derrota do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia).


Comboio de veículos armados dos EUA nos arredores ocidentais da cidade síria de Manbij
Tropas dos EUA na Síria © AFP 2018/ DELIL SOULEIMAN

No dia 5 de fevereiro, o Pentágono anunciou não ver indicação alguma de que a Turquia estaria planejando se mover a Manbij, o que contradiz as declarações prévias das autoridades turcas.

Em janeiro, o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, declarou que Ancara não pretende limitar suas medidas de precaução contra os combatentes curdos para a cidade síria de Afrin, mas pode se mover na direção de Manbij, onde os EUA posicionaram cerca de 2.000 militares.

Tanto o ministro das Relações Exteriores como o presidente turcos enfatizaram que as forças turcas vão completamente limpar a região dos terroristas, inicialmente em Manbij, e depois por toda a fronteira turco-síria.

A Turquia vem efetuando operação militar designada Ramo de Oliveira em Afrin contra os combatentes curdos desde 20 de janeiro em resposta às declarações dos EUA sobre treinamento de 30.000 membros da força de segurança fronteiriça na Síria, designada por Ancara como "exército terrorista".

O governo sírio condenou severamente a operação militar, chamando-a de violação da soberania do Estado, mesmo a Turquia tendo frisado que a ofensiva não é realizada contra ela, mas contra "somente os terroristas".


Postar um comentário