Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

EUA perdem para a Rússia em potencial militar, segundo este analista norte-americano

As Forças Armadas dos EUA não estão preparadas para repelir os desafios existentes por parte da Rússia e da China, afirmou o funcionário do Novo Centro de Segurança Estadunidense, Paul Scharre.


Sputnik

De acordo com o analista, Pequim representa uma ameaça devido às suas "centenas de mísseis de cruzeiro e 1.000 mísseis balísticos", enquanto Moscou, por sua vez, ultrapassa o exército estadunidense em vários campos ao mesmo tempo.


Blindado BTR-82A, sistemas de mísseis antiaéreos Tor-M2DT e complexos Pantsir-SA desfilam na Praça Vermelha no âmbito da Parada da Vitória
Blindado BTR-82A, sistema antiaéreo TOR M-2DT e Pantsir SA em desfile na Praça Vermelha, Moscou © Sputnik/ Mikhail Klimentyev

"Os Estados Unidos perdem para a Rússia que, investe muito mais no aumento do seu potencial de ataques de alta precisão e com grande alcance, bem como na modernização dos sistemas da defesa antiaérea, além de medidas e métodos de guerra eletrônica", assegurou Scharre, conforme citado pelo RT.

O especialista frisou que os EUA perdem por não terem "flexibilidade estratégica" e prognósticos oportunos. ademais, ele acredita que a burocratização do sistema estadunidense pode atrasar em décadas a entrada em serviço dos novos armamentos.

Scharre sublinhou que para responder aos desafios existentes o Pentágono precisa recusar os "projetos ambiciosos" e mudar o esquema de financiamento de construção militar.

Em particular, o analista enfatizou que é necessário alocar fundos adicionais para a criação e a compra de bombardeiros estratégicos, projeção de drones furtivos e tecnologias de guerra eletrônica.

Ultimamente, as autoridade estadunidenses têm várias vezes falado sobre a ameaça proveniente da Rússia e da China. Deste modo, a nova doutrina de segurança nacional e nuclear, indicam Moscou e Pequim como as principais ameaças à segurança do país. Ademais, no final de janeiro o presidente dos EUA, Donald Trump, chamou estes dois Estados de rivais norte-americanos.

O vice-chefe do Estado-Maior dos EUA, general Paul Selva assinalou que o Pentágono está elaborando "um plano global" das operações militares no caso de um possível conflito com a Rússia e a China.

Moscou, por sua vez, afirmou que lamenta tal retórica por parte de Washington e prometeu empreender medidas para "assegurar sua segurança". Enquanto isso, a chancelaria russa tem várias vezes reiterado que a Rússia está preparada para travar um diálogo com os EUA em diferentes áreas.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas