Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Governo saudita diz que rei e príncipe herdeiro são 'linha vermelha'

O ministro de Relações Exteriores saudita, Adel al-Jubeir, afirmou que o rei Salman bin Abdulaziz e o príncipe Mohammed Bin Salman são uma "linha vermelha" para a Arábia Saudita e rejeitou o suposto envolvimento do herdeiro da coroa saudita no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.
EFE

Riad - "A liderança do reino da Arábia Saudita representada nas guardas das duas mesquitas sagradas (o rei) e o príncipe herdeiro são uma linha vermelha e não permitiremos tentativa algum de atacar nossos líderes", afirmou Al-Jubeir em entrevista publicada nesta terça-feira o jornal árabe internacional "Asharq Al-Awsat".


"Atacar os líderes do reino é tocar em todos os cidadãos", acrescentou.

O ministro fazia alusão às versões que vinculam o príncipe Mohammed com a morte do jornalista no consulado saudita em Istambul em 2 de outubro.

Veículos de imprensa americanos informaram na sexta-feira que a CIA tinha concluído que o herdeiro saudita ordenou o assassinato de Kh…

Forças dos EUA começam a reduzir presença no Iraque, diz porta-voz

Forças dos Estados Unidos começaram a reduzir sua presença no Iraque depois que autoridades locais declararam “vitória” sobre o Estado Islâmico, disse um porta-voz do governo iraquiano nesta segunda-feira.


Por Maher Chmaytelli | 
Reuters

BAGDÁ - No ano passado, forças iraquianas apoiadas por uma coalizão internacional liderada pelos EUA retomaram todo o território que esteve sob controle do Estado Islâmico em 2014 e 2015, incluindo Mosul, cidade do norte do país que serviu como capital de fato dos militantes. 


Resultado de imagem para Forças dos EUA começam a reduzir presença no Iraque
Tropas dos EUA no Iraque | Reprodução

“As forças americanas começaram a reduzir seus números, já que se obteve uma vitória sobre o Daesh (Estado Islâmico)”, disse o porta-voz à Reuters. “Continua a haver coordenação para manter a assistência (dos EUA) às forças iraquianas, de acordo com suas exigências.”

Os EUA tinham mais de 5.500 soldados no Iraque no auge da batalha por Mosul, em julho de 2017, o equivalente a cerca de metade da força total mobilizada pela coalizão no país.

Um porta-voz da coalizão não quis confirmar nem negar que a retirada começou. “É nossa intenção publicar um informe quando tivermos forças saindo do palco”, disse o coronel do Exército dos EUA Ryan Dillon à Reuters.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas