Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

General ucraniano explica por que Crimeia não 'se afogou em sangue'

O coronel-general Mikhail Koval, que cumpriu interinamente funções de ministro da Defesa da Ucrânia, afirmou que em 2014 a península da Crimeia poderia "se ter afogado em sangue".


Sputnik

Koval declarou isso durante um interrogatório no âmbito do processo de investigação sobre traição do ex-presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, comunicou a edição Ukrinform.


Crimeia
Crimeia © Sputnik/ Aleksei Pavlishak

O militar contou que o secretário do Conselho de Segurança e Defesa Nacional da Ucrânia, Alexander Turchinov, presidente interino do país naquela época, "teve a tentação" de declarar a lei marcial devido à situação na península.

"Eu garanto para vocês que, caso tivesse havido um primeiro disparo, a Crimeia teria sido afogada em sangue", afirmou Mikhail Koval.

Anteriormente, o ex-deputado ucraniano Andrey Senchenko contou que, quando a crise ucraniana estava em seu auge, o presidente interino mandou os militares de Kerch, cidade da Crimeia, abrir fogo, contudo os militares se recusaram a cumprir a ordem.

A península da Crimeia se reintegrou na Rússia após um referendo realizado em março de 2014. Na sequência da votação, 96,77% dos eleitores da República da Crimeia e 95,6% dos residentes da cidade de Sevastopol se manifestaram pela reunificação com a Rússia. O pleito teve lugar após o golpe de Estado na Ucrânia.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas