Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

Líderes sauditas e israelenses tinham pedido a Washington para bombardear o Irã, diz John Kerry

Os líderes da Arábia Saudita e Israel em 2015, um ano anterior à celebração de o acordo nuclear, tinham pedido a Washington para bombardear o Irã, revelou o ex-secretário de Estado norte-americano, John Kerry.


Pars Today


Kerry disse em uma discussão em painel na Conferência de Segurança de Munique no domingo sobre as demandas de bombardear Teerã, enfatizando que era "absolutamente crítico" para garantir a sobrevivência do acordo histórico. O ex-alto diplomata americano, que foi um dos principais arquitetos do acordo nuclear, explicou que, quando se encontrou com o ministro das Relações Exteriores do Irã em 2013, Teerã já havia desenvolvido e avançado a tecnologia nuclear iraniano. "O bombardeio não estava prestes a colocar esse gênio de volta à garrafa. Agora, eu não posso dizer o quanto nós resistiremos [o próprio Netanyahu] e o rei Abdullah da Arábia Saudita, que me disse pessoalmente", disse Kerry.


Líderes sauditas e israelenses tinham pedido a Washington a bombardear o Irã, diz John Kerry.
John Kerry | Reprodução

"O presidente Mubarak, que me tinha dito pessoalmente, o único que você pode fazer com o Irã é bombardeá-los", acrescentou, referindo-se ao homem forte Hosni Mubarak, do Egito.

Os comentários de Kerry vieram em resposta ao primeiro-ministro israelense Binyamin Netanyahu, que disse que o acordo com o Irã encorajou Teerã a se tornar cada vez mais agressivo na região. Netanyahu tinha dito que se os EUA decidissem destruir o acordo de 2015, que ele havia oposto muito: "Eu acho que eles não farão nada".

Netanyahu também disse que o acordo era semelhante ao infame "Acordo de Munique de 1938" que as potências ocidentais assinaram com Adolf Hitler na tentativa de impedir a guerra na Europa, que se tornou sinônimo de apaziguamento. Declarando que o "descarado" do Irã atingiu novos aumentos, ele mostrou teatralmente um fragmento de um aparelho que dizia pertencer a um drone iraniano abatido na semana passada por Israel no espaço aéreo israelense.

O ministro das Relações Exteriores iraniano Mohammad Javad Zarif, que apareceu duas horas depois na mesma conferência, recusou que o comentário de Netanyahu o considerou "pensamento delirante". Zarif rejeitou a tentativa demonstrativa de uma peça de um drone por Netanyahu era "um circo cartunista... que nem sequer merece a dignidade de uma resposta". O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, expressou um profundo ceticismo sobre o acordo nuclear do Irã que levantou sanções contra o país. Ele ampliou as isenções de sanções em janeiro, mas disse que não faria isso novamente quando vierem a renovar em maio, a menos que suas preocupações sejam abordadas.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas