Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA vão suspender Tratado INF se Rússia não cumprir acordo, diz vice-secretário de Estado

Os EUA vão suspender suas obrigações no Tratado INF, que trata a respeito armas nucleares de médio alcance, no dia 2 de fevereiro se a Rússia não apresentar provas de que está cumprindo o acordo, disse o vice-secretário de Estado.
Sputnik

Em outubro, o presidente dos EUA anunciou que seu país abandonaria o Tratado INF, assinado pelos Estados Unidos e pela União Soviética em 1987.


Trump argumentou que Moscou estava desenvolvendo mísseis que violam esse pacto.

Em 4 de dezembro, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que Washington suspenderia sua adesão ao INF no prazo de 60 dias se a Rússia não voltasse a cumprir suas obrigações.

No entanto, a Rússia nega categoricamente todas as acusações. O líder russo, Vladimir Putin, declarou que Moscou se opõe à violação do Tratado INF, mas responderá se isso acontecer.

Marinha dos EUA: Pequim está militarizando mar do Sul da China com 7 novas bases

Pequim expandiu sua presença militar no mar do Sul da China ao construir sete novas bases, segundo afirmou nesta semana o chefe do Comando do Pacífico dos EUA ao Congresso.


Sputnik

"No ano passado, a China ocupou as ilhas reclamadas do mar do Sul da China com hangares de aviões, quartéis militares e pistas estendidas ao ponto de a China ter sete bases operacionais na hidrovia internacional agitada", disse o almirante da Marinha estadunidense, Harry Harris.


Imagem de satélite mostrando o recife de Fiery Cross no arquipélago Spartly no mar do Sul da China, onde Pequim teria construído instalações em 2017, segundo o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS)
Recife de Fiery Cross no arquipélago Spartly no Mar do Sul da China © AP Photo/ Iniciativa de Transparência Marítima da Ásia do CSIS/DigitalGlobe

Além de hangares e quartéis, as instalações chinesas compreendem radares, armazéns de armas e pistas de 3 quilômetros, acrescentou.

Segundo o almirante, o exército chinês está rapidamente alcançando os EUA "em quase todas as áreas".

A China "está tentando afirmar de fato a soberania quanto aos elementos marítimos disputados militarizando ainda mais suas bases", comentou Harris.

Anualmente, através do mar do Sul da China passam mercadorias no valor de trilhões de dólares. Ilhotas e certas regiões da via marítima são disputadas por vários países, dentre eles China, Brunei, Vietnã, Taiwan, Malásia e Filipinas.

Pequim "está utilizando seu poder econômico e militar para minar a ordem internacional aberta e livre", opina o almirante norte-americano.

A China, porém, não é o único país a aumentar sua presença militar na região. O chanceler russo, Sergei Lavrov, advertiu que a presença militar crescente dos próprios Estados Unidos na área pode causar confrontos.

"Acho que é um jogo perigoso. Os EUA estão olhando não apenas para a Coreia do Norte, embora justifique sua presença militar através da questão norte-coreana, mas também para o mar do Sul da China onde Pequim está negociando com a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) a resolução de assuntos relacionados aos territórios disputados", explicou.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas