Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil abre processo administrativo para apurar vídeo de militares dançando 'Jenifer' em navio

Em nota, a Marinha informou que e 'foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições' e que irá apurar o ocorrido.
Por G1 Rio

A Marinha do Brasil instaurou um processo administrativo para apurar um vídeo em que um grupo de militares aparece dançando a música "Jenifer" em um navio oficial.


A embarcação, segundo a Marinha, é o Aviso de Instrução Guarda-Marinha Brito, que fica sediado no Rio de Janeiro. A gravação foi feita durante o estágio de mar de militares.

Em nota, a Marinha informou que "foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições da Marinha" e que, para ampliar a apuração do ocorrido, foi instaurado um procedimento administrativo "cuja conclusão, certamente, conterá as propostas pertinentes às necessárias correções no inaceitável comportamento".

Assista o vídeo

Missão de destróieres estadunidenses no mar Negro: 'quem planejam proteger e de quem?'

As ações tomadas pelos EUA provocaram tensões na região, agravando ainda mais a situação. O deputado russo explica quais são as reais razões de tal comportamento.


Sputnik

Em 17 de fevereiro o destróier estadunidense USS Carney entrou em águas do mar Negro com o objetivo de "realizar operações para garantir a segurança no mar", bem como "aumentar a estabilidade regional, a prontidão de combate e as capacidades da frota dos países da OTAN e aliados".


Destróier com mísseis teleguiados USS Carney  (foto de arquivo)
Destróier da US Navy, USS Carney © AFP 2018/ FELIX GARZA/Marinha dos EUA

"Com suas provocações, EUA estão buscando uma reação de resposta que poderia servir de pretexto para realizar ações mais sérias junto com seus aliados", opina o vice-presidente do Comitê de Segurança e Defesa da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), Yuri Shvytkin.

Entretanto, o deputado assegurou que as ações estadunidenses provocaram tensões na região, apesar de Washington ter afirmado que a resolução de enviar mais um navio ao mar Negro é decisão "preventiva, não reativa".

De acordo com Skvytkin, os EUA consideram a presença do USS Carney no mar Negro como "necessária" para realizar suas missões navais de segurança. Porém, tais explicações provocam ainda mais perguntas. Em particular: "Quem planejam proteger [os destróieres] e de quem?".

O funcionário opina que os Estados Unidos "estão agravando a situação" porque agora já dois de seus navios se encontram na região.

"Até o momento não respondemos, mas temos poder e recursos suficientes para usá-los em caso de qualquer provocação", concluiu.

O USS Ross pertence à classe Arleigh Burke e está equipado com mísseis de cruzeiro Tomahawk, mísseis antiaéreos e mísseis anti-submarino. Em abril de 2017, o USS Ross participou no bombardeio com mísseis Tomahawk do aeródromo sírio de Shayrat, controlado pelas forças governamentais. No total, naquela operação foram disparados 59 mísseis.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas