Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Não brinque com poder russo: especialista australiano revela nova arma que 'desafia Ocidente'

As imagens "explosivas" do teste do novo míssil antibalístico, que fará parte do sistema de defesa antimíssil de Moscou, causaram polêmica em várias mídias.


Sputnik

Assim, o portal australiano News.com.au escreveu que a recente simulação, que ocorreu no polígono de Sari Shagan no Cazaquistão, demonstra que a "Rússia é uma força que não quer que ninguém jogue com ela".


Lançamento do míssil renovado A-135 do sistema de defesa antiaérea, no polígono cazaque de Sary-Shagan
Lançamento do míssil A-135 © Sputnik/ Ministério da Defesa da Rússia

De acordo com o especialista Malcolm Davis do Instituto da Política Estratégica da Austrália, citado pelo portal, o teste representa um desafio para o Ocidente.

"Os sistemas antimísseis chineses e russos reduzem vantagens tradicionais que EUA e seus aliados mantêm desde a Guerra do Golfo em 1991", e será "inclusive mais difícil" para os países do Ocidente "tomar e manter o controle do espaço aéreo", explicou.

Ao mesmo tempo, o especialista duvidou da capacidade dos sistemas russos de "minar gravemente o poder de dissuasão dos EUA", seguindo o lema típico dos países ocidentais sobre a suposta ameaça russa.

Não obstante, afirmou que o posicionamento dos sistemas de mísseis Iskander na região de Kaliningrado — perto da fronteira com a Lituânia — parece-lhe um passo mais perigoso.

O lançamento bem-sucedido do projétil russo foi realizado em 12 de fevereiro. Todas as características do novo míssil antibalístico são significativamente superiores em comparação com os modelos anteriores.

Atualmente, o escudo aéreo de Moscou é formado pelo sistema de defesa antimíssil А-135, elaborado em 1970. O sistema conta com estação de radares Don-2N, centro de comando e controle 5K80 e também com vários lançadores de mísseis 53T6.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas