Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

'Norte-americanos se permitem bombardear qualquer coisa na Síria'

De acordo com o canal ABC, durante os bombardeamentos da coalizão, liderada pelos EUA, morreram cerca de cem militares das forças governamentais sírias. O analista Stanislav Byshok, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, expressou opinião de que os norte-americanos continuam apoiando a oposição na Síria.


Sputnik

A informação foi divulgada pelo canal de televisão ABC.

Segundo declarou um funcionário norte-americano, que preferiu manter anonimato, os ataques aéreos e o apoio da artilharia visaram repelir o ataque. Para ele, o ataque contra o Estado-Maior General das Forças Democráticas da Síria a leste do Eufrates foi coordenadíssimo e contou com participação tanto da artilharia como de tanques T-54 e T-72.


Caça norte-americano F-22 Raptor
F-22 Raptor dos EUA © flickr.com/ Airman Magazine

O analista da Organização Internacional de Monitoramento CIS-EMO, Stanislav Byshok, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, disse que os norte-americanos continuam apoiando as forças de oposição na Síria:

"O discurso dos norte-americanos de que Assad [presidente da Síria] deve deixar o poder foi reduzido a zero, ou, mais precisamente, foi substituído por 'Assad deve sair, mas um pouco mais tarde'. Mas isso não significa que tenham assumido compromisso de não atacar o exército sírio. A guerra civil lenta continua com os norte-americanos participando do lado das forças de oposição."

Para ele, como os EUA possuem um volumoso orçamento militar, eles se sentem no direito de bombardear qualquer coisa e travar ações caóticas na Síria. Ainda mais porque eles sabem que suas reservas de armas serão restauradas muito rapidamente, concluiu o especialista.


Postar um comentário