Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa russa: avião Il-20 foi derrubado por mísseis sírios S-200

De acordo com o ministério russo, o sistema de defesa aérea sírio tentava atacar um avião de Israel. No entanto, a tripulação israelense fez uma manobra especial para se proteger, e o míssil acabou atingindo acidentalmente o avião russo Il-20.
Sputnik

O avião Il-20 desapareceu dos radares em 17 de setembro, por volta das 23h do horário de Moscou, (17h em Brasília) durante o retorno planejado à base aérea de Hmeymim, acima do território do mar Mediterrâneo, a 35 quilômetros da costa da Síria, informou o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia. O represente oficial da Defesa russa, Igor Konashenkov sublinhou que os aviões israelenses "propositalmente criaram uma situação perigosa para navios e aviões nessa região".

Na opinião dele, para evitar o ataque sírio, a tripulação israelense acabou tornando o Ilyushin-20 alvo de ataque.

"Ao tentarem proteger-se com ajuda do avião russo, os pilotos israelenses o puseram debaixo de fogo do sistema de defesa antiaérea da Síria"…

'Norte-americanos se permitem bombardear qualquer coisa na Síria'

De acordo com o canal ABC, durante os bombardeamentos da coalizão, liderada pelos EUA, morreram cerca de cem militares das forças governamentais sírias. O analista Stanislav Byshok, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, expressou opinião de que os norte-americanos continuam apoiando a oposição na Síria.


Sputnik

A informação foi divulgada pelo canal de televisão ABC.

Segundo declarou um funcionário norte-americano, que preferiu manter anonimato, os ataques aéreos e o apoio da artilharia visaram repelir o ataque. Para ele, o ataque contra o Estado-Maior General das Forças Democráticas da Síria a leste do Eufrates foi coordenadíssimo e contou com participação tanto da artilharia como de tanques T-54 e T-72.


Caça norte-americano F-22 Raptor
F-22 Raptor dos EUA © flickr.com/ Airman Magazine

O analista da Organização Internacional de Monitoramento CIS-EMO, Stanislav Byshok, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, disse que os norte-americanos continuam apoiando as forças de oposição na Síria:

"O discurso dos norte-americanos de que Assad [presidente da Síria] deve deixar o poder foi reduzido a zero, ou, mais precisamente, foi substituído por 'Assad deve sair, mas um pouco mais tarde'. Mas isso não significa que tenham assumido compromisso de não atacar o exército sírio. A guerra civil lenta continua com os norte-americanos participando do lado das forças de oposição."

Para ele, como os EUA possuem um volumoso orçamento militar, eles se sentem no direito de bombardear qualquer coisa e travar ações caóticas na Síria. Ainda mais porque eles sabem que suas reservas de armas serão restauradas muito rapidamente, concluiu o especialista.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas