Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Oficial americano joga culpa para Israel pelo ataque às forças sírias

No domingo (17), a mídia síria relatou ataque ao povoado sírio Al-Harra, província de Deir ez-Zor, na fronteira com o Iraque, supostamente realizado pela coalizão internacional, liderada pelos EUA, tendo como alvo forças governamentais. Porém, um oficial americano culpou Israel pelo ataque.
Sputnik

Anteriormente, uma fonte militar relatou à mídia síria que drones "provavelmente americanos" bombardearam Al-Harra, entre Abu Kamal e Al-Tanf.

Segundo dados das Forças de Mobilização Popular iraquianas, o ataque matou 22 soldados iraquianos. O Observatório Sírio de Direitos Humanos, por sua vez, disse que o número total de vítimas corresponde a 52 pessoas, citado pelo Haaretz.

"Entre [os mortos] estão ao menos 30 militares iraquianos e 16 sírios, incluindo soldados e membros da milícia leal ao governo", afirmou à mídia o chefe do Observatório Sírio, Rami Abdel Rahman.

Comentando a notícia, o porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Adrian Rankine-Galloway, descartou que W…

Opinião: EUA estavam buscando pretexto para estar no mar Negro e o encontraram

Os EUA estão fortalecendo sua presença no mar Negro para "se opor ao aumento das forças russas nesta região", afirma mídia. Aleksandr Asafov, cientista político, explica quais podem ser as motivações dos Estados Unidos neste caso.


Sputnik

As afirmações dos EUA sobre a Rússia estar aumentando as suas forças militares no mar Negro são uma "clara mentira", declarou o primeiro vice-presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação russo, Yevgeny Serebrennikov.


O destróier de mísseis guiados USS Ross (DDG 71)
Destróier de mísseis guiados dos EUA USS Ross (DDG 71) | CC BY 2.0 / CNE CNA C6F

"Ultimamente por parte dos EUA tem havido uma série de acusações em relação à Rússia: sobre reforço do potencial nuclear, sobre o aumento do número das armas nucleares, agora falam do aumento da presença no mar Negro", comentou Serebrennikov.

Segundo o senador, tais acusações são uma tentativa de desviar a atenção do próprio aumento dos armamentos e da presença militar norte-americana. Serebrennikov destacou que Washington busca "usar esta mentira para efetuar pressão política sobre a Rússia". O senador frisou que estas tentativas não terão sucesso.

Aleksandr Asafov, falando com o serviço russo da Rádio Sputnik, destacou que os EUA simplesmente estão buscando um pretexto para justificar suas ações.

"Durante sua campanha eleitoral [o presidente dos EUA, Donald] Trump falava da diminuição dos gastos do orçamento, inclusive os da indústria militar. Mas estamos vendo que, ao chegar ao poder, ele está aumentando o orçamento militar e, para explicar isso, são necessárias razões. A Coreia do Norte não parece ser uma boa razão. A Rússia virou essa razão. Todos os gastos, o rearmamento, a nova doutrina nuclear, tudo isso é explicado pela "ameaça" por parte da Rússia", explica.

O cientista político expressou a certeza de que este tipo de ações continuará até o restabelecimento das relações russo-americanas. Mas levando em consideração a política do mundo unipolar que os EUA continuam a querer implementar, isso está ainda muito longe de acontecer, resumiu Asafov.

No domingo, 18 de fevereiro, o destróier USS Carney entrou nas águas do mar Negro, se juntando ao USS Ross, que já estava presente na área. A mídia, se referindo a uma fonte no Pentágono, informou que Washington tinha reforçado a presença no mar Negro para "se opor ao aumento das forças russas nesta região"

O USS Ross pertence à classe Arleigh Burke e é equipado com mísseis de cruzeiro Tomahawk, mísseis antiaéreos e mísseis antissubmarino. O USS Carney está entre os navios de guerra de maior envergadura e poder de fogo construídos nos EUA. Eles estão ainda armados com dois lançadores do sistema Aegis, capazes de lançar até 56 mísseis de cruzeiro Tomahawk.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas