Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Opinião sobre projétil que derrubou caça russo: máfias militares 'disfarçam' vestígios

A origem do sistema de defesa antiaérea, que derrubou um caça russo na província de Idlib, será revelada pelos seus fragmentos. O especialista militar Viktor Baranets, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, compartilhou sua opinião quanto ao assunto.


Sputnik

No local da eliminação dos terroristas, que derrubaram o caça russo Su-25 em Idlib, estão operando forças especiais sírias, afirmou à Sputnik Viktor Vodolatsky, deputado do partido Rússia Unida.


Membros do grupo jihadista conhecido como Frente al-Nusra
Terroristas da Frente al-Nusra © AFP 2018/ KARAM AL-MASRI

De acordo com ele, caso sejam detectados elementos do complexo de defesa antiaérea, que derrubou o caça russo, já nos próximos dias será possível descobrir a origem de onde é que veio e o que o fez chegar lá.

No sábado (3), um caça Su-25 russo foi derrubado na província síria de Idlib. O piloto conseguiu sair da aeronave em movimento, mas acabou morrendo ao combater terroristas.

Mais tarde, o Ministério da Defesa da Rússia comunicou que, em resultado de um ataque contra uma área controlada pelos militantes da Frente al-Nusra, de onde tinha sido disparado o projétil, foram eliminados 30 terroristas. Os terroristas desta organização reivindicaram o ataque ao avião.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar, Viktor Baranets, opinou sobre a origem do projetil que derrubou o caça russo.

"Pode se tratar do sistema de defesa antiaérea que os terroristas teriam capturado do exército sírio ou iraquiano, já que na época soviética estes sistemas foram largamente importados aos países do Oriente Médio. Também, pode se tratar de um sistema importado: nossos especialistas não descartam a possibilidade de uso do Stinger norte-americano ou Blowpipe britânico. São armas do mesmo tipo que Igla ou Strela. Um mês atrás, os norte-americanos forneceram estas armas para área da província de Idlib, ademais, a inteligência síria encontrou evidências de que vários sistemas de defesa antiaérea deste tipo foram entregues aos curdos sírios, e a um destacamento do Exército Livre da Síria, que no momento, os EUA estão patrocinando", afirmou Viktor Baranets.

De acordo com ele, há certas dificuldades em revelar de onde terroristas conseguiram obter estas armas.

"Hoje em dia, máfias militares conseguem entregar armamentos sem deixar vestígio algum. Pois, caso seja revelado que se tratou de um Stinger ou Blowpipe, não é garantido que a arma vai conter o número, já que a inteligência estrangeira aprendeu a 'disfarçar' estas coisas. A única coisa que poderemos saber é o país de origem", assinalou Viktor Baranets.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas