Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

OTAN continua jogo de nervos no mar Negro

A Aliança Atlântica sabe que as fronteiras da Rússia, incluindo na península da Crimeia, estão completamente cobertas pelos mais modernos sistemas defensivos. Parece que nenhum dos provocadores espera atingir grandes êxitos. O que eles querem é brincar com os nervos, opina o analista Sergei Ilyin.


Sputnik

Nos últimos meses e até anos, o mar Negro tem atraído atenção especial dos países ocidentais e de seu componente militar, a OTAN. Trata-se de uma importante região estratégica geograficamente relacionada com a Rússia, esta última vista como "hostil e ameaçadora".


Destróier HMS Duncan, foto de arquivo
New Type 45 Destroyer HMS Duncan | CC BY-SA 2.0 / Defence Images

Recentemente, o destróier britânico HMS Duncan, escoltado pela fragata turca Gaziantep, entrou nas águas do mar Negro. Parece uma situação regular: a Turquia, membro da OTAN, tem acesso ao mar Negro e a Ucrânia é candidato potencial para aderir à aliança. Entretanto, o analista disse ao serviço russo da rádio Sputnik que, na realidade, a Ucrânia é apenas "uma plataforma para implementar grandes projetos geopolíticos dos países anglo-saxônicos".

Ilyin lembrou que neste ano o mar Negro já foi "visitado" pelo destróier Carney da Marinha dos EUA, equipado com o sistema de defesa de mísseis Aegis e mísseis de cruzeiro Tomahawk. No verão do ano passado, vários navios da OTAN entraram nessa zona para participar de manobras conjuntas com a Ucrânia.

Além disso, o periodista mencionou a intensa atividade da aliança nos céus sobre o mar Negro.

"De fato, tal atividade não tem precedentes. As ações da inteligência próximo das fronteiras russas ocorrem de maneira aberta e permanente. Os aviões russos são obrigados a escoltar as aeronaves da OTAN. Entretanto, de cada vez o Pentágono acusa sem provas os pilotos russos de 'aproximações inseguras'", explicou Ilyin.

"É evidente que a crescente tensão na região através de provocações é outra ferramenta de pressão sobre a Rússia. Não é de excluir que Washington, junto com seus parceiros, possa recorrer a uma provocação relacionada a Donbass ou à Crimeia", sublinhou ele.

O especialista sublinhou que a Ucrânia está fortalecendo ativamente suas posições nas proximidades das repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk. As eleições do presidente russo em março também são uma oportunidade conveniente para uma provocação, acrescentou ele.

"Entretanto, é ingênuo esperar que Moscou não tenha contra-argumentos ou opções para uma resposta adequada e inteligível, tanto política, como militar, no pior dos casos", concluiu o analista.


Postar um comentário