Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: exército sírio parou de avançar para Afrin

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou que as tropas do governo sírio deixaram de avançar para a cidade de Afrin "após consultas", realizadas pelo líder turco nesta segunda-feira.
Sputnik

As tropas do governo sírio "foram realmente detidas ontem (segunda-feira)", afirmou Erdogan, segundo a agência de notícias Anadolu. Segundo o chefe de Estado, isso aconteceu "após consultas". No entanto, Erdogan não especificou à que consultas estaria se referindo.


Nesta segunda-feira, o líder turco discutiu a situação em Afrin durante conversa telefônica com seus homólogos russo e iraniano, Vladimir Putin e Hassan Rouhani.

Erdogan também afirmou que as milícias pró-governo que tentaram entrar em Afrin nesta terça-feira, e que foram repelidas pelas tropas turcas, o fizeram por iniciativa própria.

"A milícia síria decidiu entrar em Afrin por conta própria. Isso é inaceitável e não ficará sem resposta", alertou Erdogan.

Anteriormente, a imprensa infor…

OTAN continua jogo de nervos no mar Negro

A Aliança Atlântica sabe que as fronteiras da Rússia, incluindo na península da Crimeia, estão completamente cobertas pelos mais modernos sistemas defensivos. Parece que nenhum dos provocadores espera atingir grandes êxitos. O que eles querem é brincar com os nervos, opina o analista Sergei Ilyin.


Sputnik

Nos últimos meses e até anos, o mar Negro tem atraído atenção especial dos países ocidentais e de seu componente militar, a OTAN. Trata-se de uma importante região estratégica geograficamente relacionada com a Rússia, esta última vista como "hostil e ameaçadora".


Destróier HMS Duncan, foto de arquivo
New Type 45 Destroyer HMS Duncan | CC BY-SA 2.0 / Defence Images

Recentemente, o destróier britânico HMS Duncan, escoltado pela fragata turca Gaziantep, entrou nas águas do mar Negro. Parece uma situação regular: a Turquia, membro da OTAN, tem acesso ao mar Negro e a Ucrânia é candidato potencial para aderir à aliança. Entretanto, o analista disse ao serviço russo da rádio Sputnik que, na realidade, a Ucrânia é apenas "uma plataforma para implementar grandes projetos geopolíticos dos países anglo-saxônicos".

Ilyin lembrou que neste ano o mar Negro já foi "visitado" pelo destróier Carney da Marinha dos EUA, equipado com o sistema de defesa de mísseis Aegis e mísseis de cruzeiro Tomahawk. No verão do ano passado, vários navios da OTAN entraram nessa zona para participar de manobras conjuntas com a Ucrânia.

Além disso, o periodista mencionou a intensa atividade da aliança nos céus sobre o mar Negro.

"De fato, tal atividade não tem precedentes. As ações da inteligência próximo das fronteiras russas ocorrem de maneira aberta e permanente. Os aviões russos são obrigados a escoltar as aeronaves da OTAN. Entretanto, de cada vez o Pentágono acusa sem provas os pilotos russos de 'aproximações inseguras'", explicou Ilyin.

"É evidente que a crescente tensão na região através de provocações é outra ferramenta de pressão sobre a Rússia. Não é de excluir que Washington, junto com seus parceiros, possa recorrer a uma provocação relacionada a Donbass ou à Crimeia", sublinhou ele.

O especialista sublinhou que a Ucrânia está fortalecendo ativamente suas posições nas proximidades das repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk. As eleições do presidente russo em março também são uma oportunidade conveniente para uma provocação, acrescentou ele.

"Entretanto, é ingênuo esperar que Moscou não tenha contra-argumentos ou opções para uma resposta adequada e inteligível, tanto política, como militar, no pior dos casos", concluiu o analista.


Postar um comentário