Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

OTAN deixa de considerar Rússia como ameaça

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em entrevista concedida à Foreign Policy, declarou que a Rússia não apresenta nenhuma ameaça à Aliança, contrariando o que ele disse dias antes.


Sputnik

"Em primeiro lugar, não vimos nenhuma ameaça em relação a um dos países-membros da OTAN e sempre comento as situações hipotéticas cuidadosamente", disse.


Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN
Jens Stoltenberg © AP Photo/ Virginia Mayo

Na sexta-feira (16), durante a Conferência de Segurança de Munique, Alemanha, Jens Stoltenberg anunciou que "a ameaça nuclear está em pauta de novo", porque "a Rússia viola o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF)". No dia seguinte, ele acusou Moscou de desencadear "uma nova corrida nuclear" e acrescentou que "os parceiros da OTAN estão preocupados".

Nos últimos anos, a Rússia tem se manifestado sobre atividades sem precedentes da OTAN perto de suas fronteiras ocidentais. Ao mesmo tempo, a OTAN alega que tais ações são "contenção da agressão russa". Moscou já proferiu sua preocupação com as forças crescentes da Aliança na Europa. O porta-voz do presidente da Rússia, Dmitry Peskov, declarou que o país não representa ameaça a ninguém, mas sempre estará atento aos interesses potencialmente perigosos ao Estado.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas