Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Novo corte na verba do PROSUB preocupa Comando da Marinha do Brasil

O Comandante da Marinha, almirante de esquadra Eduardo Leal Ferreira, está seriamente preocupado com as consequências negativas de um novo e importante corte nos recursos do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), previstos para o orçamento de 2019.
Por Roberto Lopes e Alexandre Galante | Poder Naval

O Programa, cujos termos foram ajustados em 2009, estabelece a produção, no complexo industrial naval de Itaguaí (RJ), de quatro submarinos de ataque convencionais (propulsão diesel-elétrica) da classe Scorpène, e a assistência técnica francesa para a construção do primeiro submarino nuclear brasileiro.

O primeiro submarino convencional, batizado Riachuelo, deve ser lançado ao mar na manhã da quarta-feira 12 de dezembro.

Em novembro de 2016, reunido com lideranças da Base Industrial de Defesa, em São Paulo, o então ministro da Defesa, Raul Jungmann, estimou o valor total do investimento brasileiro no PROSUB em 30 bilhões de Reais.

O Poder Naval não teve acesso aos valores da reduçã…

OTAN deixa de considerar Rússia como ameaça

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em entrevista concedida à Foreign Policy, declarou que a Rússia não apresenta nenhuma ameaça à Aliança, contrariando o que ele disse dias antes.


Sputnik

"Em primeiro lugar, não vimos nenhuma ameaça em relação a um dos países-membros da OTAN e sempre comento as situações hipotéticas cuidadosamente", disse.


Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN
Jens Stoltenberg © AP Photo/ Virginia Mayo

Na sexta-feira (16), durante a Conferência de Segurança de Munique, Alemanha, Jens Stoltenberg anunciou que "a ameaça nuclear está em pauta de novo", porque "a Rússia viola o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF)". No dia seguinte, ele acusou Moscou de desencadear "uma nova corrida nuclear" e acrescentou que "os parceiros da OTAN estão preocupados".

Nos últimos anos, a Rússia tem se manifestado sobre atividades sem precedentes da OTAN perto de suas fronteiras ocidentais. Ao mesmo tempo, a OTAN alega que tais ações são "contenção da agressão russa". Moscou já proferiu sua preocupação com as forças crescentes da Aliança na Europa. O porta-voz do presidente da Rússia, Dmitry Peskov, declarou que o país não representa ameaça a ninguém, mas sempre estará atento aos interesses potencialmente perigosos ao Estado.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas