Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

OTAN lança projeto para fortalecer a Defesa da Jordânia

A Organização do Tratado do Atlântico Norte, OTAN, lançou hoje um projeto para aumentar as capacidades de defesa e gestão de crise do Reino Haxemita da Jordânia, segundo informou a própria aliança por meio de um comunicado.


Sputnik

"O projeto de três anos ajudará o Centro Nacional de Segurança e Gerenciamento de Crise da Jordânia a atingir a capacidade operacional total e aumentará a capacidade da Jordânia em resiliência nacional, continuidade do governo e gerenciamento de crises", diz a nota da OTAN.


O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, segura um martelo cerimonial antes de uma reunião entre os ministros da Defesa do bloco e o da Geórgia, em Bruxelas, em 16 de fevereiro de 2017
© REUTERS/ Francois Lenoir

Ainda de acordo com o comunicado, o fortalecimento da parceria da organização com Amã está sendo possível graças a contribuições de quatro Estados-membros do bloco: Holanda, Alemanha, Noruega e Turquia.

A Jordânia é um dos países citados pelo Wall Street Journal, no ano passado, em reportagem sobre a formação de uma possível coalizão árabe para cooperar com os Estados Unidos e Israel para conter a influência do Irã no Oriente Médio. A ideia teria sido apresentada pelo governo de Donald Trump e contaria ainda, pelo menos, com Arábia Saudita, Emirados Árabes e Egito.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas