Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

'Península porta-aviões': por que inteligência estrangeira se interessa pela Crimeia?

A península da Crimeia é um "porta-aviões da Rússia", o que não pode senão suscitar o interesse dos serviços de inteligência estrangeiros, afirmou o vice-presidente do Conselho Consultivo da República da Crimeia, Aleksandr Formanchuk.


Sputnik

Segundo disse o dirigente, é a localização estratégica da península que explica o grande interesse por parte dos serviços secretos dos países ocidentais.


Caças russo no aeródromo de Belbek, em Sevastopol, Crimeia
Sukhoi Su-24 e Su-34 russos na base aérea Belbek, em Sebastopol, Crimeia © Sputnik/ Sergey Malgavko

"Temos que nos acostumar a isso, pois vai continuar. Ao começar a fazer parte do território russo, a Crimeia dispõe de instalações militares adicionais, pois é uma 'península porta-aviões'. Tem uma boa localização do ponto de vista estratégico-militar, por isso é um lugar irritante para eles [os países ocidentais]", explicou.

Em 29 de janeiro, um caça russo Su-27 interceptou um avião de reconhecimento estadunidense EP-3 Aries sobre as águas neutras do mar Negro, perto das fronteiras da Rússia. Os Estados Unidos acusaram a parte russa de violar o Acordo de 1972 de Prevenção de Incidentes Sobre o Alto Mar (INCSEA em inglês). O Ministério da Defesa da Rússia, por sua vez, sublinhou que o voo foi realizado de acordo com as regras internacionais sobre o uso do espaço aéreo.


Comentários

Postagens mais visitadas